Fisiologismo?

Na luta pela sobrevivência política, Temer distribuiu R$ 15 bilhões em programas e emendas

Críticos do governo têm chamado a medida de fisiológica e ameaçam judicializar a questão, ao passo que aliados sustentam que a liberação de emendas é impositiva

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em seu momento mais delicado à frente da presidência e com as contas públicas ameaçando estourar a meta fiscal estipulada para este ano, Michel Temer concentrou em duas semanas a liberação de R$ 15,3 bilhões na forma de novos programas e liberação de verbas a emendas parlamentares em estados e municípios.

O levantamento foi apresentado em reportagem do jornal O Globo e mostrou que os esforços do governo surtiram efeito, concretizando uma difícil reversão na CCJC (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) da Câmara, que possibilitou a aprovação de relatório favorável ao peemedebista na denúncia por corrupção passiva, apresentada pelo procurador-geral Rodrigo Janot.

Segundo a publicação, um levantamento feito pela Rede mostra que, nos últimos 15 dias, foi empenhado um total de R$ 1,9 bilhão, superando até mesmo os valores processados do começo do ano até 6 de junho (R$ 1,8 bilhão). Ainda segundo o mapeamento, em maio foram R$ 89,4 milhões liberados, ao passo que em junho, o número disparou para R$ 1,8 bilhão.

Aprenda a investir na bolsa

De acordo com levantamento feito pelo próprio jornal, de janeiro a junho, Temer anunciou investimentos de aproximadamente R$ 96 bilhões. Em dois dias, o peemedebista liberou quase um sexto do valor dos últimos dois meses, desconsiderando os recursos do Plano Safra.

Críticos do governo têm chamado a medida de fisiológica e ameaçam judicializar a questão, ao passo que aliados sustentam que a liberação de emendas é impositiva.