Mulheres e política: apenas 9% dos parlamentares são do sexo feminino no país

No ranking da América do Sul, o Brasil está no penúltimo lugar, seguido pela Colômbia. Em primeiro, ficou a Argentina

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Entre os países da América do Sul, o Brasil é o penúltimo colocado no ranking que mede a participação das mulheres nas câmaras federais. Isso porque apenas 9% dos parlamentares são do sexo feminino.

A última posição ficou com a Colômbia, onde menos de 8,5% dos deputados são mulheres. Já a Argentina é o país que lidera o levantamento, com 40% dos assentos nas câmaras ocupados por elas.

Os dados fazem parte de um relatório divulgado pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Dificuldade histórica

Aprenda a investir na bolsa

Para a deputada estadual Helena Barros Heluy (PT-MA), as mulheres enfrentam uma dificuldade histórica para assumir os cargos de poder.

“A história e as leis foram perversas com relação à mulher. Por isso que, agora no terceiro milênio, século XXI, a mulher ainda não se encontra como deveria e poderia estar, isto é, ocupando os espaços de tomada de decisão”, analisa.

Ela ainda destacou a importância da participação da mulher na política para a construção de uma sociedade mais democrática. Na Assembleia Legislativa do Maranhão, dos 42 parlamentares, apenas sete são mulheres.

Alguns números mundiais

No mundo, o país com maior representatividade da mulher na política é a Suécia, com 47%, seguida por Cuba (43%) e a Finlândia (41%), segundo publicado na Radioagência Notícias do Planalto.