Mesa Diretora da Câmara veta aumento de benefícios a servidores públicos

Medida beneficiaria 5,5 mil servidores especializados e mais 12 mil comissionados; gastos mensais seriam de R$ 4 milhões

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Após reunião realizada na última terça-feira (13), o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT), voltou atrás em sua decisão de aumentar os gastos com servidores da Casa.

Seriam criadas gratificações especiais aos funcionários públicos com especialização e iriam também ampliar o beneficio do plano de saúde de funcionários comissionados. Porém a decisão foi vetada pela Mesa Diretora da Câmara.

Caso fosse aprovada a medida, que beneficiaria 5,5 mil servidores que apresentassem diploma de mestrado, doutorado ou de especialização e 12 mil comissionados, ativos e inativos, os gastos do Governo seriam elevados em mais R$ 4 milhões ao mês.

Aprenda a investir na bolsa

Membros da Câmara justificaram a decisão como sendo uma forma de evitar gastos ainda maiores.

Negociações

Vale ressaltar que os dirigentes da Casa já tinham negociado com o Sindicato dos Servidores do Legislativo o pagamento do adicional de especialização. Já para os planos de saúde, a Mesa disse que suspenderá a decisão até que o sindicato apresente uma nova proposta.