Maioria concorda com Lula sobre salário, juros, isenção para carnes e “pente-fino”

Eleitores entrevistados pela pesquisa Genial/Quaest também concordam com fala de que governo não deve satisfação ao mercado, mas aos mais pobres

Marcos Mortari

Luis Inácio Lula Da Silva (Buda Mendes/Getty Images)
Luis Inácio Lula Da Silva (Buda Mendes/Getty Images)

Publicidade

Além de mostrar uma melhora na aprovação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a nova rodada da pesquisa Genial/Quaest, divulgada nesta quarta-feira (10), mostrou que a maioria dos eleitores brasileiros concorda com algumas das principais opiniões manifestadas pelo mandatário em entrevistas recentes.

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

O levantamento, realizado entre os dias 5 e 8 de julho, mostra que 5 declarações de Lula contam com forte apoio dos entrevistados. Na posição de maior consenso está a ideia de que o salário deve ter aumento todo ano acima da inflação, apoiada por 90% e reprovada por apenas 8%.

Continua depois da publicidade

Tal fala vai ao encontro da nova política de valorização do salário mínimo, aprovada pela atual administração, que garante o reajuste anual dos vencimentos considerando a variação da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) somada ao Produto Interno Bruto (PIB) do ano anterior.

A segunda declaração mais apoiada diz respeito ao fato de que os juros no Brasil seriam muito altos. Neste caso, 87% dos entrevistados concordam, e 10% discordam. Na sequência, aparece uma afirmação relacionada ao debate da reforma tributária: “carnes consumidas pelos mais pobres deveriam ter isenção de imposto”. Tal opinião recebeu o endosso de 84% dos entrevistados e foi contestada por outros 14%.

Já a quarta afirmação está ligada à agenda de revisão de despesas que o governo federal tenta levar a cabo: “temos que fazer um ‘pente-fino’ para tirar irregularidades do CadÚnico”. Segundo a pesquisa, 83% concordam com a afirmação e 15% discordam.

Continua depois da publicidade

Por fim, foi testada uma fala crítica ao mercado financeiro: “o governo não deve satisfação ao mercado, mas aos mais pobres”. Para 67%, Lula está correto com a afirmação, enquanto 29% consideram um equívoco.

A pesquisa Genial/Quaest também ouviu os entrevistados se ficaram sabendo das críticas de Lula direcionada à política de juros conduzida pelo Banco Central. A maioria (64%) disse que não − quase o dobro dos que estavam familiarizados com o assunto.

Segundo o levantamento, 66% concordam com as críticas do mandatário, contra 23% que discordam. Entre os eleitores que votaram em Lula no pleito de 2022, o apoio sobe para 77%, contra 16% contrários. Mas mesmo entre os eleitores que declararam apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) ele tem a concordância da maioria: 51% contra 36%.

Continua depois da publicidade

Segundo a pesquisa, a maioria dos entrevistados (69%) também não sabia que Roberto Campos Neto, atual presidente do BC, foi indicado para o cargo por Bolsonaro.

Em seguida, o levantamento questionou se os eleitores concordam que ele tende a usar critérios técnicos na condução da instituição − 53% responderam que sim, ao passo que 28% discordaram e 19% não responderam.

Tal percepção é significativamente maior entre eleitores de Bolsonaro (70%) do que de Lula (44%), mas nos dois casos a maioria está de acordo com a afirmação.

Continua depois da publicidade

Situação oposta é vista no caso da avaliação se falas de Lula foram a principal razão para a alta recente do dólar. Considerando a totalidade da amostra, 34% responderam que não e 53%, que sim. Entre os eleitores de Lula, a maioria (66%) discordou da avaliação. Já entre aqueles que declararam apoio em Bolsonaro, a maioria (56%) concordou.

Metodologia

A pesquisa Genial/Quaest ouviu 2.000 eleitores brasileiros com 16 anos ou mais, de todas as regiões do país, entre os dias 5 e 8 de julho. A coleta de dados foi feita através de entrevistas face a face por meio da aplicação de questionários estruturados. A margem máxima de erro estimada para o levantamento é de 3,1 pontos percentuais para cima ou para baixo para o total da amostra (nos dados segmentados, o número aumenta, dependendo do tamanho de cada grupo).

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso significa que, se ela tivesse sido feita mais de uma vez sob condições e período idênticos, esta seria a probabilidade de os resultados se repetirem dentro do limite da margem de erro.

Marcos Mortari

Responsável pela cobertura de política do InfoMoney, coordena o levantamento Barômetro do Poder, apresenta o programa Conexão Brasília e o podcast Frequência Política.