Lula, sobre opositora barrada da eleição na Venezuela: “É grave e não tem explicação”

Depois de nota do Itamaraty em que governo brasileiro manifesta "preocupação" com processo eleitoral na Venezuela, Lula sobe o tom contra regime do aliado Nicolás Maduro

Fábio Matos

Luiz Inácio Lula da Silva (PT), presidente do Brasil (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Publicidade

Dois dias depois de o Ministério das Relações Exteriores divulgar um comunicado manifestando “preocupação” com os rumos da eleição na Venezuela, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) subiu o tom contra seu aliado histórico, o ditador Nicolás Maduro, e classificou a situação política no país vizinho como “grave”.

Em entrevista coletiva, ao lado do presidente da França, Emmanuel Macron, em Brasília, Lula criticou o fato de a principal candidata da oposição ao regime venezuelano, a filósofa e professora universitária Corina Yoris, não ter conseguido registrar sua candidatura para enfrentar Maduro nas eleições presidenciais marcadas para o dia 28 de julho.

“Eu fiquei surpreso com a decisão. Primeiro, houve a boa decisão de a candidata proibida pela Justiça [María Corina Machado] indicar uma sucessora. Achei um passo importante. Agora, é grave que a candidata [Yoris] não possa ter sido registrada. Ela não foi proibida pela Justiça. Me parece que ela se dirigiu até o lugar, tentou usar o computador e não conseguiu entrar”, disse Lula.

Continua depois da publicidade

“Então, foi uma coisa que causou prejuízo a uma candidata que, por coincidência, leva o mesmo nome da candidata que tinha sido proibida de ser candidata. O dado concreto é que não tem explicação jurídica, política, você proibir um adversário de ser candidato”, completou o presidente brasileiro.

Lula voltou a citar o fato de ter sido impedido pela Justiça de concorrer às eleições presidenciais de 2018 – ele foi condenado por corrupção no âmbito da Operação Lava Jato e preso pela Polícia Federal. Na ocasião, Lula indicou Fernando Haddad (PT), hoje ministro da Fazenda, para disputar o pleito – o petista chegou ao segundo turno e foi derrotado por Jair Bolsonaro (PL).

Em 2021, o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou todas as condenações de Lula, alegando que o ex-juiz Sergio Moro havia sido parcial durante o processo, e o petista recuperou os direitos políticos. Em 2022, ele se candidatou ao Palácio do Planalto e foi eleito, derrotando Bolsonaro no segundo turno.

Continua depois da publicidade

Na entrevista aos jornalistas, Lula afirmou que conversou com Maduro e que o líder venezuelano havia se comprometido a garantir eleições democráticas e transparentes na Venezuela, o que seria importante para o país “voltar ao mundo com normalidade”.

Ao lado de Lula, Emmanuel Macron também demonstrou preocupação com o processo eleitoral venezuelano. “O marco em que essas eleições estão acontecendo não pode ser considerado democrático. Temos de fazer tudo o que o presidente Lula decidiu fazer, e nós também faremos mais esforços, para convencer o presidente Maduro e o sistema para que reintegrem todos os candidatos, com observadores regionais e internacionais”, disse o presidente da França.

“Condenamos firmemente terem retirado uma candidata desse processo, e espero que seja possível ter um novo marco reconstruído, nas próximas semanas, nos próximos meses. Não nos desesperemos, mas a situação é grave e piorou na última semana”, concluiu Macron.

Continua depois da publicidade

Leia também:

Regime de Maduro reagiu

O governo da Venezuela reagiu ao comunicado divulgado pelo Itamaraty sobre o pleito naquele país. Na terça-feira (26), o Ministério das Relações Exteriores do governo Maduro divulgou nota em que afirma que a mensagem brasileira continha “comentários carregados de profundo desconhecimento e ignorância sobre a realidade política na Venezuela”.

Ainda de acordo com o regime de Maduro, o documento divulgado pelo governo Lula “parece ter sido ditado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos”.

Continua depois da publicidade

“O governo venezuelano tem mantido uma conduta fiel aos princípios que regem a diplomacia e as relações amistosas com o Brasil, em nenhuma hipótese emite nem emitirá juízos de valor sobre os processos políticos e judiciais que ocorrem naquele país. Consequentemente, tem a moral para exigir o mais estrito respeito pelo princípio da não ingerência nos assuntos internos e na nossa democracia, uma das mais robustas da região”, diz a nota da chancelaria venezuelana.

“A Venezuela repudia a declaração cinzenta e intrometida, redigida por funcionários do Itamaraty, que parece ter sido ditada pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, onde são emitidos comentários carregados de profunda ignorância e ignorância sobre a realidade política na Venezuela”, diz o texto.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”