RADAR INFOMONEY Ações da Vale, Gerdau e Usiminas são vistas com otimismo por analistas antes de balanços; assista ao programa desta segunda

Ações da Vale, Gerdau e Usiminas são vistas com otimismo por analistas antes de balanços; assista ao programa desta segunda

Segundo Estadão

Lula quer nomes históricos do PT como deputados em 2018 para evitar nova derrocada

Estratégia já foi, de certa forma, aplicada nas eleições municipais deste ano, quando o partido lançou a candidatura de Eduardo Suplicy para o cargo de vereador em São Paulo e ajudou o partido a manter assentos

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem defendido uma nova estratégia para evitar outra possível derrocada do PT nas próximas eleições, sobretudo na Câmara dos Deputados. Conforme conta o jornal O Estado de S. Paulo, a ideia é convencer quadros históricos do partido, ex-ministros, ex-prefeitos e ex-governadores a deixarem seus projetos individuais em segundo plano para se candidatarem a um assento no parlamento com o objetivo de puxar votos e manter a densidade do partido no Legislativo.

A estratégia já foi, de certa forma, aplicada nas eleições municipais deste ano, quando o partido lançou a candidatura de Eduardo Suplicy para o cargo de vereador em São Paulo. O ex-ministro bateu o recorde de votos conquistados na capital paulista desde 1988, quando o atual modelo foi definido. Foram 301.446 votos, o que representou 5,62% do total de votos válidos registrados.

Conta a reportagem que entre os nomes citados estão Fernando Haddad, Luiz Marinho, o próprio Eduardo Suplicy, Jaques Wagner, Lindbergh Farias, Tarso Genro, Olívio Dutra, Marcio Pochmann, José Guimarães, Ideli Salvatti, Gleisi Hoffmann, Patrus Ananias, Aloizio Mercadante, Humberto Costa, entre outros.

Aprenda a investir na bolsa

Em programa ao vivo pelo InfoMoneyTV, o analista político da XP Investimentos, Richard Back, já havia tratado dessa possibilidade, chamando atenção também para as resistências internas à ideia por ser vista como saída mais conservadora à crise do partido.

“Há uma tese de que Lula deveria ser senador em Pernambuco, porque aí ele faria vários deputados no Nordeste e seria a cidadela de fato”, explicou. “É o que resta. Lançar Jaques Wagner na Bahia é sinônimo que ele vai se eleger e levar uns dois ou três deputados federais com ele. Lançar Mercadante e Berzoini em São Paulo. Tarso Genro no Rio Grande do Sul”. [para acessar a íntegra da entrevista, clique aqui].