Lula diz que Vale “nada fez para reparar destruição” em Brumadinho e cobra medidas

Tragédia que deixou 270 mortos completa 5 anos nesta quinta (25) com 3 corpos ainda desaparecidos

Equipe InfoMoney

Publicidade

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), afirmou nesta quinta-feira (25) que a mineradora Vale (VALE3) “nada fez para reparar a destruição causada” pelo rompimento de barragem em Brumadinho (MG), que deixou 270 mortos em 2019 e completa hoje 5 anos com 3 corpos ainda desaparecidos.

“Hoje faz 5 anos do crime que deixou Brumadinho debaixo de lama, tirando vidas e destruindo o meio ambiente. 5 anos e a Vale nada fez para reparar a destruição causada”, afirmou o presidente na rede social X (antigo Twitter). “É necessário o amparo às famílias das vítimas, recuperação ambiental e, principalmente, fiscalização e prevenção em projetos de mineração, para não termos novas tragédias como Brumadinho e Mariana”.

Leia também:
Vale tem 4 barragens em zona de alto risco na região de Brumadinho, diz estudo
Na sucessão da Vale, Mantega anseia cadeira de CEO
Poucos são tão qualificados quanto Mantega para o conselho da Vale, diz Gleisi

Continua depois da publicidade

Além dos 270 mortos, a tragédia de Brumadinho atingiu comunidades e a flora e a fauna da região mineira. Já o desastre ambiental de Mariana (MG), citado por Lula, ocorreu em novembro de 2015 com o rompimento da barragem de Fundão, e também envolve a Vale, pois a Samarco era uma joint venture da empresa brasileira com a mineradora anglo-australiana BHP Billiton.

O rompimento matou 19 pessoas, destruiu os distritos de Bento Rodrigues, Paracatu de Baixo e Gesteira, deixou milhares de pessoas desalojadas e causou um impacto ambiental jamais visto no país. O mar de lama atingiu 39 municípios nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo e depositou rejeitos de minério por 650 km de rios importantes da região, até a foz do Rio Doce no Oceano Atlântico.

Apesar da declaração de Lula, a Vale assinou um acordo de reparação em 4 de fevereiro de 2021, com o governo de Minas Gerais, o Ministério Público Federal (MPF), o Ministério Público estadual (MPMG) e a Defensoria Pública mineira. Com um valor estimado de R$ 37,7 bilhões, o acordo define as obrigações da mineradora para fazer a reparação socioeconômica e socioambiental da tragédia.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.