Lula deve fazer hoje anúncio sobre dívida do Rio Grande do Sul, diz Haddad

A tendência é a de que Lula anuncie a suspensão da dívida do Rio Grande do Sul por até 2 anos, com a contrapartida de que o dinheiro seja utilizado na reconstrução do estado

Fábio Matos

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad - 28/12/2023 (Reuters/Adriano Machado)

Publicidade

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve anunciar, na tarde desta segunda-feira (13), uma medida que diz respeito à renegociação da dívida do estado do Rio Grande do Sul com a União. A informação foi dada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), em conversa com jornalistas, nesta manhã.

“Hoje, o presidente [Lula] deve anunciar, na presença de representantes do Senado, Câmara e do Supremo Tribunal Federal, uma medida específica sobre a dívida do Rio Grande do Sul. Eu vou deixar o anúncio a cargo da Presidência”, disse Haddad, sem detalhar qual seria essa medida.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Continua depois da publicidade

Desde que o Rio Grande do Sul começou a ser novamente atingido por fortes chuvas, na maior tragédia climática de sua história, o Planalto intensificou as negociações com o governador Eduardo Leite (PSDB) em torno da dívida do estado. A tendência é a de que Lula anuncie a suspensão da dívida por até 2 anos, com a contrapartida de que o dinheiro seja utilizado na reconstrução do estado.

Questionado se as medidas sobre a dívida do Rio Grande do Sul poderiam ser ampliadas para outros estados, Haddad afirmou que, por enquanto, o que será anunciado valerá apenas para o governo gaúcho.

“Neste momento, é a calamidade [no Rio Grande do Sul] que nós estamos atendendo. Vai chegar um momento em que vamos retomar um debate que já havia sido negociado [com outros estados], mas foi interrompido em virtude dessa situação”, disse o ministro.

Continua depois da publicidade

Os números da tragédia gaúcha

De acordo com o novo boletim da Defesa Civil, divulgado na manhã desta segunda, o total de óbitos desde o início das enchentes, no fim de abril, chegou a 147. As autoridades gaúchas informaram, ainda, que o número de pessoas desaparecidas é de 127 até o momento. Há 806 feridos.

Segundo os dados da Defesa Civil do Rio Grande do Sul, o total de pessoas que tiveram de deixar suas residências aumentou para mais de 619 mil, das quais 80,8 mil estão em abrigos e 538,2 mil, em casas de amigos ou parentes.

Até agora, 447 dos 497 municípios do estado foram afetados, de alguma forma, pelas enchentes. Ao todo, são mais de 2,1 milhões de pessoas atingidas.

Continua depois da publicidade

Novas medidas ao longo da semana

Na conversa com os repórteres, o ministro da Fazenda antecipou que novas medidas de ajuda ao Rio Grande do Sul devem ser anunciadas nos próximos dias. Entre elas, está um programa que visa a atender as famílias atingidas pela tragédia.

“A cada dia ou 2 dias, novas medidas estão sendo preparadas de acordo com a especificidade da necessidade atendida. Às vezes, é a família, o empresário, o agricultor, o município ou o estado. Estamos sendo bastante criteriosos para tomar as medidas com uma formatação adequada e responsável, sempre com o acompanhamento dos outros Poderes e do Tribunal de Contas da União”, explicou Haddad.

Na semana passada, o governo anunciou um pacote com uma série de medidas para ajudar trabalhadores e empresas no processo de reconstrução do Rio Grande do Sul. Ao todo, foram divulgadas 12 iniciativas, que se seguem ao decreto-legislativo assinado por Lula no e aprovado pelo Congresso Nacional, que reconheceu o estado de calamidade no Rio Grande do Sul.

Continua depois da publicidade

Segundo a Fazenda, os beneficiários pelas medidas serão trabalhadores assalariados, beneficiários de programas sociais, estado, municípios, empresas e produtores rurais. De acordo com a pasta, serão destinados R$ 50,945 bilhões em recursos a esses grupos, com mais de 3,5 milhões de beneficiários. As ações têm um impacto estimado sobre o resultado primário de R$ 7,695 bilhões.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”