Lava Jato, 10 anos: investigadores e advogados frente a frente em debate na Câmara

Devem comparecer, entre outros, o ex-deputado Deltan Dallagnol (Novo-PR), que teve o mandato cassado pelo TSE no ano passado; e os advogados Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, e Alberto Toron

Equipe InfoMoney

Deltan Dallagnol, ex-deputado federal e ex-procurador da Lava Jato (Foto: Agência Câmara)

Publicidade

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados debate, em audiência marcada para terça-feira (21), os 10 anos da Operação Lava Jato, iniciada em 2014.

O debate foi sugerido pelos deputados federais Adriana Ventura (Novo-SP) e Kim Kataguiri (União Brasil-SP).

Na sessão, investigadores e advogados de alvos da operação ficarão frente a frente. Entre eles, deve estar o ex-deputado Deltan Dallagnol (Novo-PR), que teve o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no ano passado. Como procurador da Republica, na época, ele foi o chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba (PR).

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de 11 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

Também devem comparecer à audiência os advogados Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, e Alberto Toron, que defenderam investigados da operação. Cada participante terá 15 minutos para falar.

“A Operação Lava Jato, iniciada em 2014, representa um marco significativo na história jurídica e política do Brasil, trazendo à tona complexas redes de corrupção que envolviam diversas esferas do poder público e setores empresariais. Suas investigações conduziram a uma série de processos judiciais, condenações e a recuperação de valores expressivos para os cofres públicos, destacando-se como um dos esforços mais abrangentes de combate à corrupção no país”, diz o texto da deputada Adriana Ventura, no pedido de realização da audiência sobre a Lava Jato.

Continua depois da publicidade

“No entanto, a operação também foi palco de amplos debates sobre métodos investigativos e procedimentos judiciais. As discussões envolveram desde a utilização de delações premiadas e a condução de operações, até as garantias dos direitos dos investigados e a publicidade dada às ações e decisões”, conclui a parlamentar.

Veja quem são os convidados para participar do debate na Câmara:

Leia também:

Continua depois da publicidade

10 anos da Lava Jato

A Operação Lava Jato completou 10 anos no dia 17 de março, data da deflagração da primeira das 79 fases de investigação que desbarataram o maior esquema de desvios de recursos públicos apurado na história do país.

Ao longo dos anos, a população brasileira passou a acompanhar as buscas, apreensões e prisões solicitadas pelo então procurador da República Deltan Dallagnol e autorizadas pelo então juiz Sergio Moro (hoje senador), à época responsável pela 13ª Vara Federal em Curitiba.

A Lava Jato da capital paranaense chegou ao patamar de R$ 4,3 bilhões devolvidos à Petrobras, R$ 111 milhões recuperados a partir de acordos de delação, além de 163 prisões temporárias e 553 denunciados.

Continua depois da publicidade

Apesar dos resultados obtidos no combate à corrupção, os responsáveis pela condução da operação sofreram reveses no Supremo Tribunal Federal (STF). Com o andamento das investigações, a atuação de Moro, Dallagnol e de outros procuradores passou a ser contestada por ministros do STF e pela defesa dos acusados.

Ganhou força a acusação de uma atuação parcial e com motivação política por parte dos responsáveis pela operação, principalmente após os episódios envolvendo o hoje presidente Luiz Inácio Lula Silva (PT), que teve todas as suas condenações anuladas pelo STF. Após derrotas no Supremo, o país viu Moro e Dallagnol deixarem suas carreiras e se aventurarem na política.

A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba foi encerrada em 2021 pelo procurador-geral da República (PGR) à época, Augusto Aras. Os processos remanescentes são acompanhados pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Continua depois da publicidade

Leia também:

(Com Agência Câmara)