Intenção de compra do paulistano cresce e atinge o melhor índice da série

Índice passou de 61,8% para 74,2% entre os terceiros trimestres de 2008 e 2009, segundo Provar/Fia

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O número de consumidores paulistanos que pretendem fazer algum tipo de compra no varejo no terceiro trimestre de 2009 aumentou e a taxa de intenção registrada é a melhor da série histórica do período, iniciada em 1999.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, o índice de intenção de compra passou de 61,8% para 74,2%, segundo dados do Provar/Fia (Programa de Administração de Varejo da Fundação Instituto de Administração), divulgados nesta terça-feira (14).

Frente ao segundo trimestre (72,4%), a intenção de compra aumentou 1,8 ponto percentual.

Aprenda a investir na bolsa

A pesquisa foi realizada com uma amostra de 500 consumidores adultos da cidade de São Paulo, com renda média familiar de R$ 1,4 mil.

Recuperação

Dentre as categorias avaliadas neste terceiro trimestre, na comparação com o segundo, os itens de Informática ainda lideram as intenções de compra, com 14,2%, seguidos pelos produtos de Linha Branca (12,2%) e o segmento de Cine e Foto (11,6%).

Já as demais categorias obtiveram as seguintes porcentagens: Móveis (10,4%), Telefonia e Celulares (9,8%), Eletroeletrônicos (9,2%), Material de Construção (7,4%), Automóveis e Motos (6,8%), Cama, Mesa e Banho (2,4%) e Eletroportáteis (1,2%).

Dentre essas categorias, verifica-se que Telefonia Celular e Material de Construção aumentaram significativamente sua participação de intenção de compra. A primeira categoria, no segundo trimestre respondeu por 6,6%, passando a 9,8%. Já Material de Construção passou de 4,6% para 7,4% da intenção.

De acordo com o coordenador do Provar/Fia, Cláudio Felisoni, o aumento significativo da categoria de telefonia deve-se ao aumento dos estoques no período. Segundo ele, os estoques do varejo estavam vazios por conta da crise. Com a melhora do cenário econômico, o varejo volta a estocar e os consumidores conseguem encontrar o produto que até então procuravam, mas não encontravam.

Já com relação ao aumento da intenção de compra dos Materiais de Construção, o principal fator para o aumento é, além da redução do IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados) concedida pelo Governo para alguns itens, outras medidas que estimulam a Construção Civil fazendo com que a pretensão de compra dos itens aumente.

PUBLICIDADE