RADAR INFOMONEY Hering (HGTX3) sai do básico com plano ousado para 2021. Vai funcionar?

Hering (HGTX3) sai do básico com plano ousado para 2021. Vai funcionar?

Redução de danos

Imagine um 2º turno entre Lula e Bolsonaro: qual seria o candidato “escolhido” pelo mercado?

Eles são os destaques das últimas pesquisas eleitorais, mas nenhum deles agrada muito o mercado - mas qual gera "menor aversão"?

SÃO PAULO – Sim, ainda falta um ano para a eleição e muita coisa pode acontecer até lá. Mas, por enquanto, as pesquisas eleitorais mostram uma tendência de consolidação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em primeiro lugar e o deputado Jair Bolsonaro em segundo, o que se confirmou com a divulgação das pesquisas Ibope e DataPoder360 logo do início desta semana.

Em meio a esses sinais de fortalecimento dos dois nomes, o “sinal de alerta” foi ligado pelo prefeito de São Paulo João Doria, que propôs uma frente de esquerda para que se fosse criada uma frente de centro para derrotar Lula e Bolsonaro. 

E, caso esses nomes se confirmem para o segundo turno, a expectativa é de mais apreensão para o mercado, sinal este que já pôde ser percebido na sessão da última segunda-feira (30), em que um dos grandes fatores de aversão ao risco para a bolsa e para o dólar na última sessão foi justamente o Ibope do domingo. 

Em levantamento feito pela XP Investimentos em agosto com 168 investidores institucionais, tanto a vitória de Lula quanto a de Bolsonaro apontavam para um cenário de queda da bolsa e alta do dólar. No cenário apontando a vitória do petista, o Ibovespa recuaria para patamar abaixo de 55 mil pontos (atualmente, o índice está na casa dos 74 mil pontos) para 80%, enquanto a vitória de Bolsonaro levaria o Ibovespa a esse patamar de acordo com 59% dos consultados (para ver mais detalhes da pesquisa, clique aqui). Enquanto isso, um candidato tucano, como o governador Geraldo Alckmin e o prefeito João Doria são bem mais vistos pelo mercado em meio à possibilidade de continuar as reformas promovidas pelo governo Michel Temer. 

Lula ou Bolsonaro?

Assim, o que pode acontecer caso Lula e Bolsonaro venham a se enfrentar no segundo turno e quem traria menor aversão ao risco ao mercado? Pelo levantamento destacado acima, é possível destacar que Bolsonaro vem saindo como “preferido” nas apostas de mercado se a disputa com Lula se concretizar, apesar de haver muitas incertezas sobre o seu nome e desconfiança sobre as medidas econômicas a serem tomadas por ele. 

Se, por um lado, pesa a desconfiança com a agenda de Bolsonaro, parte dos temores foi atenuado durante a “caravana” do deputado aos Estados Unidos, em que buscou passar uma imagem mais pró-mercado e menos nacionalista. Em entrevista à Bloomberg em Nova York em meados de outubro ele disse, por exemplo, que a intenção de privatizar algumas empresas estatais, eventualmente incluindo a Petrobras, a redução dos gastos do setor público e a erradicação das fraudes nos programas sociais são algumas das idéias que ele tem em mente, em linha com o que analistas de mercado defendem. 

Por outro lado, ao falar da agenda atual de reformas do governo Temer (com destaque para a Previdência) ele apontou a necessidade de ação, mas prefere uma abordagem muito mais gradual do que o projeto que tramita hoje no Congresso. E é contra qualquer mudança na aposentadoria dos militares. Além disso, reconheceu francamente que tem apenas um “entendimento superficial” de economia. E expressou o desejo de que a taxa de juros fosse reduzida a 2%. O juro básico do País nunca esteve abaixo de 7,25% nas últimas duas décadas – e a experiência de baixar os “juros na marra” durante o governo Dilma I levou a um aumento mais forte da Selic mais adiante, por conta da alta da inflação.

Enquanto isso, apesar de pregar privatizações, afirma que alguns setores seriam protegidos. Todos esses poréns deixam o mercado com um “pé atrás” com relação ao deputado pré-candidato uma vez que, mesmo com ideias nos costumes diametralmente opostas ao do PT, compartilha de algumas propostas parecidas com os seus rivais. 

PUBLICIDADE

“O mercado ainda é cético, pois Bolsonaro precisa de uma agenda econômica e de nomes fortes. Precisamos de um projeto para colocar o país nos trilhos, não de um salvador. Ainda há desconfiança sobre ele, devido a dificuldade em aprovar medidas, como será a sua relação com o Congresso e até por discursos em alguns momentos liberais e em outros nacionalistas”, destaca um analista, que não quis se identificar. Nesse sentido, Bolsonaro parece disposto a querer colar em si o rótulo de liberal, mas ainda busca um nome para apoiá-lo neste sentido. 

Enquanto o cenário para Bolsonaro é de incertezas, o mercado parece ver com mais clareza o que se aponta caso Lula se consagre vencedor. Com base no discurso que vem sendo recorrente do petista e que aponta para maior radicalização, o ex-presidente é visto quase unanimemente como o pior para o mercado acionário e de câmbio brasileiro.

Para entender tamanho temor do mercado, em discurso em 26 de outubro, o ex-presidente Lula prometeu revogar uma das mais importantes medidas de austeridade aprovadas no governo Temer até agora, o teto dos gastos públicos e também levantou a perspectiva de fazer um referendo sobre algumas das outras reformas pró-mercado do governo atual. 

“Sem dúvida nenhuma, o Lula seria o pior candidato para o mercado, até pelo discurso atual dele totalmente voltado para o populismo. Além disso, a maior recessão e os maiores erros na economia foram na gestão PT. Bolsonaro, caso seja vitorioso, pode ser mais favorável ao mercado, mas dependerá muito de quem ele escolherá para a economia”, avalia Paulo Petrassi, sócio-gestor da Leme Investimentos. Porém, para ele, Lula não deve ser alçado novamente ao Planalto, já que deve permanecer com uma quantidade de votos limitada no patamar de 35%. 

Lula 2003 X Lula 2019

Contudo, vale destacar que, em 2002, Lula era muito mal visto pelo mercado e, nas proximidades das eleições, divulgou a “Carta ao Povo Brasileiro” que, apesar do nome, tinha a intenção real de acalmar o mercado financeiro, que demonstrava grande nervosismo com a expectativa cada dia mais clara de que o petista sairia vencedor das eleições. Após a eleição, o petista confirmou as expectativas e fez um primeiro governo em linha com a chamada “ortodoxia econômica”, agradando o mercado. 

 “O Lula sempre foi pragmático e, no primeiro governo, não foi extremista. Contudo, hoje terá mais dificuldade em atrair profissionais para um agenda de ajuste fiscal. O mercado não compra essa ideia”, avalia um analista, que também não quis se identificar. 

Sobre essa questão, o cientista político da Tendências Consultoria, Rafael Cortez, aponta que haveria muita dificuldade de Lula retomar o discurso de 2002 apesar de ser natural que, ao longo da campanha (e caso ele continuasse elegível), atenuasse o seu discurso conflituoso. Porém, o petista teria menor espaço de manobra em relação à sua primeira eleição, já que uma campanha com sua presença tende a uma maior polarização.

PUBLICIDADE

Assim, caso ele fosse eleito, haveria um maior custo maior de cometer um “estelionato eleitoral”, uma vez que ele se aproximou das bases durante a campanha, ao mesmo tempo em que teria que enfrentar a PEC do teto de gastos e cortar despesas para cumprir a constituição. Lula teria que ou passar a reforma da previdência (caso nenhuma reforma ocorra até a eleição) ou reverter a PEC do teto, o que configuraria em uma intensa agenda de mudança constitucional logo no início do mandato, levando a um processo de paralisia decisória. Desta forma, há muitos motivos para preocupação do mercado com Lula. 

Entre Lula e Bolsonaro, ou a expectativa de paralisia e o cenário de incerteza, o que se aponta ainda é um cenário bastante nubeloso, principalmente se a disputa for muito pulverizada, com diversos candidatos no radar. De qualquer forma, se a tendência de agora se confirmar em 2018, a volatilidade deve predominar no mercado nos próximos meses.