Crise no governo

“Fui demitido por Carlos Bolsonaro”, diz Bebianno

O ex-ministro disse ainda, em entrevista à rádio Jovem Pan, que o filho do presidente "fez macumba psicológica" na cabeça de Jair Bolsonaro

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

O ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, disse nesta noite que o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, foi o responsável pela sua demissão do governo. “Fui demitido pelo Carlos Bolsonaro. Simples assim”, afirmou Bebianno em entrevista à rádio Jovem Pan.

Para Bebianno, Carlos Bolsonaro é uma pessoa com “agressividade acima do normal” e reconhecido como um “destruidor de reputações”.
“Minha indignação é ter servido como soldado disposto a matar e morrer e no fim da linha ser crucificado e trachado de mentiroso, porque Carlos Bolsonaro fez macumba piscológica na cabeça do pai”, acrescentou.

Bebianno foi demitido nesta segunda-feira por Jair Bolsonaro, em meio a um desgaste que começou na última sexta. O problema entre os dois teve início quando o jornal Folha de S. Paulo revelou que o PSL, quando presidido por Bebianno, fez um repasse de R$ 400 mil a uma candidata a deputada federal de Pernambuco. Dias após esta denúncia, o agora ex-ministro negou que haveria uma crise no governo e afirmou que tinha falado com Bolsonaro “três vezes”.

Aprenda a investir na bolsa

Em seguida, o filho do presidente, Carlos Bolsonaro, postou no Twitter que era “mentira absoluta” que Bebianno tivesse falado com seu pai. Áudios divulgados pela Veja nesta terça-feira, porém, mostram que os dois conversaram por mensagens nesse meio tempo. “Carlos não mede as consequências de seus fatos. Como você vai a público e chama uma pessoa de mentirosa?”, indagou Bebianno durante a entrevista.

E acrescentou: “Acredito que Bolsonaro seja a maior liderança política espontânea que nasceu nos últimos anos, mas como todo ser humano ele é falível. E existe uma falha no que diz respeito ao comportamento do Carlos. Na minha opinião o presidente precisa dar uma basta nisso. Se fosse meu filho eu estaria preocupado”.