Em mercados / politica

"Veja" divulga áudios entre Bolsonaro e Bebianno que contradizem presidente

Apesar de Bolsonaro dizer que não conversou com o ministro, revista mostra que presidente e Bebianno trocaram mensagens

Gustavo Bebianno
( Marcelo Camargo/Agência Brasil)

SÃO PAULO - Um dia após a confirmação da exoneração de Gustavo Bebianno, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, a revista Veja divulgou uma série de áudios em que ele e o presidente Jair Bolsonaro discutem os fatos que deram início à crise vivida pelo governo.

O problema teve início quando o jornal Folha de S. Paulo revelou que o PSL, quando presidido por Bebianno, fez um repasse de R$ 400 mil a uma candidata a deputada federal de Pernambuco. Dias após esta denúncia, o agora ex-ministro negou que haveria uma crise no governo e afirmou que tinha falado com Bolsonaro "três vezes".

Em seguida, o filho do presidente, Carlos Bolsonaro, postou no Twitter que era "mentira absoluta" que Bebianno tivesse falado com seu pai. Os áudios da Veja, porém, mostram que os dois realmente conversaram por mensagens neste meio tempo, e que este problema gerou uma grande discussão.

Nos três primeiros áudios, Bolsonaro, ainda no hospital, reclama do fato de Bebianno receber o vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Globo, Paulo Tonet Camargo, além de uma viagem que o ministro faria para o Pará para tratar projetos para a Amazônia com líderes locais.

Em seguida, as mensagens mostram que Bolsonaro ficou muito irritado com o que estava sendo mostrado na imprensa e que, apesar dos áudios anteriores, ele não caracterizaria o que teve com o ministro como uma conversa. Por outro lado, Bebianno disse que não estava mentindo e que eles realmente teriam conversado (como mostram os áudios).

"Há várias formas de se falar. Nós trocamos mensagens ontem três vezes ao longo do dia, capitão. Falamos da questão do institucional do Globo. Falamos da questão da viagem. Falamos por escrito, capitão", diz o ministro para o presidente.

Em seguida, Bebianno tenta apaziguar o presidente, que se mostra bastante incomodado com a situação. Ele se diz um pacifista e que quer que Bolsonaro entenda o lado dele. "Quando eu recebo esse tipo de coisa, depois de um post desse, é realmente muito desagradável. Inverta. Imagine se eu chamasse alguém de mentiroso em público. Eu não sou mentiroso. Ontem eu falei com o senhor três vezes, sim. Falamos pelo WhatsApp. O que é que tem demais? Não falamos nada demais", diz.

Mas Bolsonaro não concorda e diz para o ministro que falar por mensagem não é o mesmo que conversar: "Gustavo, usar da… usou do Whatsapp para falar três vezes comigo, aí é demais da tua parte, aí é demais, e eu não vou mais responder a você".

A partir deste momento, Bolsonaro acusa o ministro de plantar as informações na imprensa de que teria tentado falar com ele para mostrar publicamente que a situação estava tranquila. "Ou você restabelece a verdade ou não tem conversa a partir daqui pra frente", diz o presidente.

Leia também:
- Áudios com Bebianno obrigam Bolsonaro a fazer mais política para debelar crise

Nos últimos áudios divulgados, Bebianno se defende, e diz a mesma coisa que afirmou publicamente sobre o caso do repasse das verbas de campanha: de que isso não era responsabilidade do presidente nacional do partido e sim dos diretórios estaduais.

O ministro ainda afirma que Bolsonaro estaria "envenenado". "Eu não tenho nada a ver com isso. Depois a gente conversa pessoalmente, capitão, tá? Eu tô vendo que o senhor está bem envenenado. Mas tudo bem, a minha consciência está tranquila, o meu papel foi limpo, continua sendo", completa Bebianno.

Proteja seu dinheiro das instabilidades: abra uma conta de investimentos na XP - é de graça!

 

Contato