Embaixada da Hungria demite dois funcionários após vazamento de imagens de Bolsonaro

Imagens do circuito interno da embaixada húngara em Brasília foram divulgadas em reportagem do jornal 'The New York Times', que mostrou hospedagem de Jair Bolsonaro entre 12 e 14 de fevereiro

Fábio Matos

Ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) conversa com o embaixador húngaro no Brasil, Miklós Halmai, dentro da embaixada da Hungria no Brasil, 4 dias após ser alvo de operação da Polícia Federal (PF), segundo jornal "The New York Times" (Imagem: Reprodução/NYT)

Publicidade

A embaixada da Hungria no Brasil demitiu, na terça-feira (2), dois funcionários brasileiros após o vazamento de imagens nas quais o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) aparece em uma vista ao local entre os dias 12 e 14 de fevereiro deste ano, durante o Carnaval.

O episódio foi revelado por uma reportagem publicada no fim de março pelo jornal The New York Times. A publicação americana divulgou as imagens do circuito interno de câmeras da embaixada húngara.

Segundo informações da CNN Brasil, mesmo sem a comprovação de que os dois funcionários brasileiros teriam envolvimento no vazamento dos vídeos, a representação húngara em Brasília optou pelo desligamento. Os dois profissionais tinham acesso aos monitores que exibem as imagens em tempo real.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do InfoMoney)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Até o momento, a embaixada da Hungria em Brasília não se manifestou oficialmente sobre as demissões. A visita de Bolsonaro ao local está sendo investigada pela Polícia Federal (PF).

Bolsonaro ficou hospedado na embaixada quatro dias depois de ter tido seu passaporte apreendido pela PF, por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito do inquérito que investiga a suposta tentativa de golpe de Estado no Brasil em 2022 – Moraes é o relator desse inquérito no Supremo. O ex-presidente foi um dos alvos da Operação Tempus Veritatis, da PF, no dia 8 de fevereiro.

Após a passagem de Bolsonaro pela embaixada ter sido revelada, o Ministério das Relações Exteriores do governo brasileiro convocou o embaixador da Hungria, Miklós Halmai, para prestar esclarecimentos. A defesa de Bolsonaro afirmou que o ex-presidente ficou hospedado na embaixada da Hungria “a convite”.

Continua depois da publicidade

Em ofício encaminhado a pedido de Moraes, a defesa de Bolsonaro sugere que seria “ilógico” imaginar que o ex-presidente teria a intenção de pedir asilo político à Hungria porque, segundo seus advogados, ele não temia ser preso.

“Diante da ausência de preocupação com a prisão preventiva, é ilógico sugerir que a visita do peticionário à embaixada de um país estrangeiro fosse um pedido de asilo ou uma tentativa de fuga. A própria imposição das recentes medidas cautelares tornava essa suposição altamente improvável e infundada”, diz o documento encaminhado pela defesa de Bolsonaro ao STF.

“São, portanto, equivocadas quaisquer conclusões decorrentes da matéria veiculada pelo jornal norte-americano, no sentido de que o ex-presidente tinha interesse em alguma espécie de asilo diplomático, conclusão a que se chega bastando considerar a postura e atitude que sempre manteve em relação as investigações a ele dirigidas”, dizem os advogados do ex-presidente.

Leia também:

Aliado do premiê húngaro

A Hungria é governada, desde 2010, pelo primeiro-ministro Viktor Orbán, um dos expoentes da extrema direita em nível global e aliado de Bolsonaro.

O premiê húngaro foi um dos chefes de Estado que estiveram presentes na posse de Bolsonaro como presidente do Brasil, em janeiro de 2019. Em dezembro do ano passado, Bolsonaro e Orbán tiveram um novo encontro, na posse do ultraliberal Javier Milei como presidente da Argentina, em Buenos Aires.

No mesmo dia da operação, em 8 de fevereiro, Orbán publicou uma mensagem de apoio a Bolsonaro nas redes sociais. “Um patriota honesto. Continue lutando, senhor presidente”, escreveu o líder húngaro, que comanda um regime autoritário e é acusado de “ditador” pela oposição e por diversos grupos em defesa dos direitos humanos.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Além do InfoMoney, teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”.