Eleições para a presidência da Câmara e do Senado são foco do cenário político

Até que seja decidido quem ocupará esses cargos na próxima legislatura, outros tópicos importantes devem ficar parados

SÃO PAULO – Depois do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), o evento político que deve prender todas as atenções será a eleição para a presidência do Senado e da Câmara, que acontecem na próxima quinta-feira (1º).

Ao contrário da eleição para a Câmara, no Senado a disputa parece estar praticamente decidida. O atual presidente, Renan Calheiros, do PMDB, tem o apoio da maioria das bancadas.

As expectativas sobre o outro candidato ao cargo, Agripino Maia, do PFL, que poderia tirar da base governista uma posição importante, enfraqueceram logo após as eleições presidenciais em outubro.

Favoritismo nas eleições da Câmara

PUBLICIDADE

Já as eleições para a Câmara devem trazer mais surpresas. A primazia de Arlindo Chinaglia, do PT, acabou quando o candidato perdeu o apoio do principal partido da oposição, o PSDB.

Com a pressão de nomes importantes, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, e do governador de São Paulo, José Serra, o PSDB acabou lançando uma candidatura própria, no nome de Gustavo Fruet.

Alguns analistas acreditam na vitória do atual presidente da Casa, Aldo Rebelo, que deve contar com o apoio de alguns partidos de oposição. Além dessa vantagem, Rebelo é considerada a melhor solução para uma Câmara mais independente do presidente Lula.

Outros assuntos só serão discutidos em fevereiro

Até o final dessas eleições, outros temas importantes como a votação das medidas do PAC e a escolha dos ministros para o novo mandato devem ficar em segundo plano.