Eleição nos EUA pode influenciar mais alguma correção, mas não preocupa

A priori, cenário mais favorável que vinha se desenhando para os mercados de renda variável não mudou, acreditam analistas

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Sem trazer muito estresse às negociações, o resultado das eleições para o Congresso dos Estados Unidos acabou influenciado algum movimento de ajuste nos mercados financeiros durante a tarde desta quarta-feira.

Após 12 anos, os democratas retomaram o poder na Câmara dos Deputados do país, tiveram sucesso nas disputas para os governos estaduais e parecem estar perto também de tomar o Senado, onde o resultado do pleito foi adiado devido a uma recontagem de votos no Estado da Virgínia.

Analistas comentam que um Congresso oposicionista à administração Bush pode significar uma política comercial mais protecionista, menos favorável aos mercados.

Desculpa para mais alguma realização

Aprenda a investir na bolsa

Luiz Antonio Vaz das Neves, diretor da Planner Corretora, comenta que os mercados financeiros historicamente apresentam certa aversão às idéias defendidas pelos democratas norte-americanos, o que pode servir para prolongar um pouco o movimento de ajuste e segurar os mercados. O estrategista, no entanto, não se mostra pessimista.

“O resultado das eleições para o congresso norte-americano pode servir de desculpa para algum movimento de realização de lucros nos principais mercados, que se encontram muito próximos de suas máximas históricas”.

“Entretanto, os investidores estão mais preocupados com o curto prazo. Qualquer mudança na política dos Estados Unidos deverá ser implementada no médio e longo prazo, o que sugere poucas mudanças agora”, comenta.

Cenário não mudou

Com uma visão bastante parecida, Tommy Taterka, da corretora Concórdia, avalia que ainda é cedo para concluir que o resultado das eleições para o congresso dos EUA provocará mudanças significativas.

O operador não descarta que o fato poderá gerar mais algum movimento de correção nos mercados de renda variável. Mas ressalta que, a priori, o cenário mais favorável que vinha se desenhando não mudou.