Destaques do feriado

Descansou no feriado? Confira as notícias que agitaram o mundo e a política nesta sexta-feira

Reforma da Previdência e Lava Jato por aqui, fala de Trump e tensão com eleições na França no exterior: os destaques do noticiário

Praia
(Shutterstock)

SÃO PAULO – Nesta sexta-feira, a bolsa brasileira esteve fechada por conta do feriado de Tiradentes. Contudo, o noticiário foi bastante movimentado, com destaque para notícias sobre reforma da Previdência, além da Operação Lava Jato e pronunciamentos de políticos. Além disso, o FMI destacou o Brasil em relatório.

Lá fora, atenção para a fala do presidente dos EUA Donald Trump. e para dirigentes do Federal Reserve e do presidente do BCE Mario Draghi. Confira os destaques desta sexta-feira (21): 

ADRs

O índice Brazil Titans 20, que reúne os ADRs brasileiros mais líquidos negociados na NYSE, fechou em queda de 0,23% com o mercado cauteloso com a França e em meio ao dia de baixa do petróleo, que fechou em queda superior a 2%. Confira o desempenho dos ADRs clicando aqui. 

PUBLICIDADE

Lá fora, as bolsas dos EUA caíram, com os investidores cautelosos antes da primeira rodada da eleição presidencial francesa, mas o S&P 500 teve o primeiro ganho semanal em três. O Dow Jones caiu 0,15 por cento, para 20.547 pontos, o S&P 500 perdeu 0,30 por cento, para 2.348 pontos e o Nasdaq caiu 0,11 por cento, para 5.910 pontos.

O resultado do primeiro turno da eleição presidencial francesa no domingo é imprevisível, disseram pesquisadores.    Na maioria das pesquisas, o candidato de centro Emmanuel Macron e a líder de extrema-direita Marine Le Pen se classificam no domingo para uma corrida de 7 de maio, mas o conservador Francois Fillon e o esquerdista Jean-Luc Melenchon não estão muito atrás e dentro da margem de erro.    “Ninguém está dando nada como certo após o que aconteceu na Grã-Bretanha e aqui”, disse Jack Ablin, diretor de investimentos do BMO Private Bank em Chicago.

Trump 

O presidente Donald Trump, ao assinar decretos presidenciais pedindo reavaliação de algumas regulações financeiras da administração Obama, disse nesta sexta-feira que haverá um grande anúncio de reforma tributária na próxima semana.

“Teremos um grande anúncio na quarta-feira que tem a ver com a reforma tributária. O processo começou há muito tempo, mas a reforma começará na quarta-feira”, disse Trump no Departamento do Tesouro dos EUA.

Falas do Fed e do BCE

Atenção ainda para as falas de autoridades monetárias. O presidente do Federal Reserve de Minneapolis, Neel Kashkari, disse nesta sexta-feira que a imigração tem sido um fator importante para o crescimento econômico dos Estados Unidos, e sem ela ou sem o aumento da fertilidade no país, a economia simplesmente não crescerá tão rápido como antes.

“Podemos aceitar um crescimento mais lento, podemos subsidiar a fertilidade, o que é muito caro, ou você pode abraçar a imigração”, disse Kashkari na Universidade Hamline em St. Paul, Minnesota. “E essas são as três escolhas. E isso é literalmente matemática, e você pode escolher qual você gosta.”

PUBLICIDADE

Atenção ainda para a fala do presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi. Ele disse que  o crescimento e o comércio global parecem estar melhorando, mas os riscos para a economia da zona do euro continuam, de modo que uma política expansionista ainda é necessária. Em uma afirmação que reflete em grande medida a declaração de março do banco, Draghi disse que, embora o risco de deflação tenha desaparecido em grande parte, a inflação não mostrou tendência de crescimento convincente.

FMI sobre Brasil

O Brasil deve crescer 0,2% neste ano e recuperar-se de forte recessão, que levou o PIB a cair 3,6% no ano passado, comentou Alejandro Werner, diretor do departamento de Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional (FMI). Ele apontou que a América Latina está registrando forças de desaceleração do nível de atividade, vindo de algumas nações, que inclusive têm origem no combate à corrupção, “que gerou efeitos macroeconômicos relevantes” ao Brasil.

Werner ainda afirmou que a reforma da Previdência no Brasil é “imperativa”. Ele apontou que o país voltou a crescer, mas alertou que é preciso consolidar avanços fiscais. “É imperativo empreender uma reforma de grande alcance da seguridade social para restabelecer a sustentabilidade fiscal e garantir que o sistema de aposentadoria esteja em condições de sustentar as futuras gerações dos brasileiros”, destacou em publicação divulgada pelo Fundo. Neste sentido, o FMI afirmou que avaliará o impacto do enfraquecimento da reforma da previdência. Segundo o fundo, o Brasil deve crescer 1,7% em 2018 considerando-se boa reforma. 

Reforma da Previdência

Falando sobre a reforma, em evento realizado hoje pelo Lide, as cúpulas do governo e do Congresso fizeram um apelo público ao meio empresarial para que o setor ajude na aprovação das reformas trabalhista e da Previdência,

E, em função da forte resistência no Congresso ao texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já admite adiar a votação inicialmente prevista para o dia 8 de maio.  “Se possível vamos votar a matéria no dia 8 de maio, se não for possível, a partir do dia 15”, disse ele. 

Política

O noticiário político também esteve bastante movimentado, com novas revelações da Lava Jato, com destaque para o depoimento de Léo Pinheiro a Moro, a notícia de que o processo de impeachment de Temer pode destravar e a troca de partido por Bernardinho, que saiu do PSDB e foi para a Novo. Veja os destaques clicando aqui. 

Noticiário corporativo

A noite da quinta-feira foi marcada pelo anúncio de dividendos da Vale e aumento do preço de combustíveis pela Petrobras. Já nesta sexta, chamou a atenção as recomendações feitas pelo BB Investimentos: o banco elevou a Usiminas para outperform e iniciou cobertura para as ações de companhias de energia. A Transmissão Paulista foi iniciada com recomendação outperform, enquanto a Taesa e a Alupar foram iniciadas com recomendação marketperform. Já as ações da Copasa, após a forte queda da quinta-feira em meio à decepcionante revisão tarifária preliminar (veja mais aqui), tiveram a recomendação elevada pelo Scotia Bank de sector marketperform para sector outperform pelo Scotia Bank, com preço-alvo sendo reduzido de R$ 45,00 para R$ 43,00. 

Atenção ainda para a notícia da Bloomberg de que a L’Oreal escolheu a Natura Cosméticos além de companhias de private equity como ofertantes na próxima rodada do
leilão para seu negócio Body Shop, disseram pessoas familiarizadas com o assunto ouvidas pela agência. CVC Capital Partners, Advent International Corp. e Investindustrial Advisors SpA também estão entre as empresas da disputa, disseram as fontes.

(Com Reuters, Agência Estado e Bloomberg)