AO VIVO Giba Coelho, analista técnico da XP, ensina como se tornar um trader consistente

Giba Coelho, analista técnico da XP, ensina como se tornar um trader consistente

Conselho de Ética

Defesa de Cunha terá como foco recursos para mudar decisão do Conselho de Ética

O colegiado analisa o processo sobre quebra de decoro do parlamentar. Hoje (18), começou a contar o prazo de dez dias para que Cunha apresente seus argumentos e indique até oito testemunhas

Advogados do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), apostam mais nos recursos apresentados para anular a votação do parecer pela continuidade das investigações no Conselho de Ética do que nos efeitos de uma defesa por escrito. O colegiado analisa o processo sobre quebra de decoro do parlamentar. Hoje (18), começou a contar o prazo de dez dias para que Cunha apresente seus argumentos e indique até oito testemunhas. O presidente da Casa foi notificado na manhã de ontem (17).

Quer saber onde investir em 2016? Veja no Guia InfoMoney clicando aqui!

Essa contagem será interrompida na próxima semana, com o recesso parlamentar que começa em 23 de dezembro e vai até o dia 1º de fevereiro, quando a Câmara retoma os trabalhos. Cunha considera o processo “viciado” e aposta que os erros regimentais anularão a representação. “Estou entrando com recurso na Comissão de Constituição e Justiça. Não tenho preocupação nenhuma com este prazo”, afirmou Cunha. A estratégia do peemedebista é aguardar o resultado dos recursos a seu favor para se manifestar.

PUBLICIDADE

A defesa de Cunha confirmou à Agência Brasil que sequer começou a formular uma resposta ao Conselho de Ética e que irá até a última instância para anular a aprovação do parecer.

CCJ

A CCJ também ficará parada até fevereiro. Na comissão, já tramita o recurso apresentado pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS) que também pede a anulação da aprovação do parecer. O relator deste recurso é o deputado Elmar Nascimento (DEM-BA) que também terá mais tempo para formular um parecer sobre o caso, a ser submetido à votação no colegiado. Marun protocolou a reclamação no último dia 16 e, ainda que a CCJ tenha mais uma sessão marcada para a próxima terça-feira (22), último dia antes do recesso, algum parlamentar pode apresentar pedido de vista e levar a decisão para 2016.

Se o recurso for acatado, o andamento do processo no Conselho de Ética pode ser prejudicado, e as investigações sobre quebra de decoro parlamentar teriam de ser retomadas do início, inclusive com votação de um novo parecer sobre admissibilidade do caso. Marun apresentou um segundo recurso para cancelar a sessão do Conselho à Mesa Diretora da Câmara. Como o presidente da Mesa é Cunha, o recurso dependerá da decisão do primeiro vice-presidente, Waldir Maranhão (PP-MA), que também é aliado de Cunha.

Provas

No Conselho de Ética, o advogado Marcelo Nobre mantém o discurso de que não há provas contra Cunha, acusado de receber propina para viabilizar negócios da Petrobras e pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no âmbito da Operação Lava Jato. Entre as motivações que levaram o Conselho a aprovar a continuidade do processo contra ele, ainda está o depoimento prestado à CPI da Petrobras, quando ele negou manter contas no exterior.

PUBLICIDADE

Esta semana, a situação do parlamentar se agravou com a deflagração da Operação Catilinárias, pela Polícia Federal, que autorizou ações de busca e apreensão nas residências de Cunha em Brasília e no Rio. A defesa tentou minimizar impactos dessa ação na decisão do Conselho, reconheceu “preocupação” com as consequências da medida, mas afirmou que a busca e apreensão só reforçam os argumentos já apresentados. “A defesa tem dito que não tem prova e o que decorre da busca e apreensão na casa do meu cliente? A busca de provas”, afirmou Marcelo Nobre durante a última sessão.

Há dois dias, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu o afastamento de Cunha do cargo de deputado pelo tempo de duração dos processos de investigação contra ele. O parlamentar reagiu novamente e classificou de “ridículos” os argumentos elencados por Janot, acusando-o de atuar como “advogado do Palácio do Planalto”.