Tensão política

Cunha diz não estar de “fuzil de guerra”, após líder do governo falar em “bandeira branca”

"Não precisa estender bandeira branca porque eu não estou de fuzil de guerra", afirmou Cunha

SÃO PAULO – Em meio ao esquentado clima político em Brasília, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou nesta segunda-feira (20) que não está de “fuzil de guerra”. A afirmação ocorreu após o líder do governo na Casa, o deputado José Guimarães (PT-CE), afirmar que irá “estender a bandeira banca” no Congresso.

“Não precisa estender bandeira branca porque eu não estou de fuzil de guerra”, afirmou Cunha. “O fato de eu, na minha militância política, ter mudado meu alinhamento político não significa que o presidente da Câmara vai exercer a presidência da Câmara com viés de qualquer natureza”, completou.

O presidente da Câmara ainda disse que a forma como os trabalhos serão conduzidos na Casa será de “indepêndencia de Poderes com harmonia”. “Eu estou num alinhamento político diferente do que eu estava antes. Esse alinhamento tem a ver com a minha militância política. Não tem a ver com o ato do exercício da presidência da Câmara”, completou.

PUBLICIDADE

Cunha se tornou o centro da tensão política no País após anunciar, na última sexta-feira, o seu rompimento com o governo, passando a integrar a oposição. Ele acusa o Palácio do Planalto de se articular com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para tentar incriminá-lo no esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato.