Condução de política do novo governo preocupa empresários e especialistas

Em evento em SP, economistas discutem o que acontecerá com política fiscal e monetária e impacto da Copa e Olimpíadas

SÃO PAULO – Apesar do mercado não ter reagido com muita força à eleição de Dilma Rousseff (PT) para a Presidência da República, o novo governo está gerando certa preocupação entre especialistas e empresários.

Em um evento realizado pela The Economist em São Paulo nesta terça-feira (9), os participantes – economistas e empresários, em sua maioria – foram perguntados sobre qual era sua maior preocupação no momento, dentre certas opções. Mais de 30% deles responderam “intervenções do governo”. Somando todas as respostas relacionadas à política – que incluíam também mudanças regulatórias – o percentual foi de mais de 70%.

A principal questão levantada pelos participantes é como será conduzida a política fiscal e monetária – aos moldes dos primeiros seis anos do governo Lula ou dos dois últimos? 

PUBLICIDADE

Luiz Carlos Mendonça de Barros, da Quest Investimentos, também questionou a preparação da nova presidente – que é bastante nova no mundo político, diferentemente dos dois últimos presidentes do País.

Copa e Olimpíadas
Outro ponto destacado é a relevância dos eventos esportivos marcados para os próximos anos. De modo geral, eles são vistos como importantes para o País se posicionar no cenário internacional e melhorar sua infraestrutura, algo bastante necessário. A questão dos prazos também é bem vista – já que não há extensões e tolerância a atrasos.

Apesar da maioria dos participantes acreditar que a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 são boas oportunidades para o Brasil, Maurício Cárdenas, da Brookings Institution, faz a ressalva de que os eventos não podem dominar o governo.

“Acho que um dos problemas também é que muitas coisas estão sendo exigidas do governo, tanto em termos de estrutura quanto de operações – em termos de investimento, controle de déficit, etc. Mas o principal desafio é ser fiscalmente responsável”, explicou.