Candidatos enriqueceram 46,3% entre 2006 e 2008

Pesquisa realizada pela ONG Transparência Brasil revela a evolução patrimonial, nos últimos dois anos, dos candidatos às eleições

SÃO PAULO – Nos últimos dois anos, os políticos que concorrem às eleições de 2008 enriqueceram 46,3%, de acordo com pesquisa publicada pela ONG (Organização não-governamental) Transparência Brasil, na segunda-feira (4).

Esse valor é a média de evolução patrimonial declarada por 180 integrantes das Câmaras Municipais de capitais dos estados que também foram candidatos nas eleições de 2006 e por 255 deputados federais, senadores, e deputados estaduais que concorrem a prefeituras e vice-prefeituras.

Evolução do patrimônio

De acordo com a pesquisa da ONG, considerando apenas os vereadores, a média de enriquecimento foi de 41%, e a dos senadores e deputados, 50%.

PUBLICIDADE

Dos vereadores que foram candidatos em 2006, 15 declararam não possuir bens naquele ano, mas em 2008 atingiram a média de R$ 108 mil cada. Outros nove cujo montante patrimonial era nulo em 2006 mantiveram esse patamar em 2008.

De 709 vereadores em exercício nas 26 capitais brasileiras, 633 buscam a reeleição ou concorrem aos cargos de prefeito ou vice-prefeito. O patrimônio médio declarado por esses vereadores é de R$ 377 mil.

Tomando-se por base o PIB per capita das regiões metropolitanas das capitais, os vereadores dessas cidades são, em média, 45 vezes mais ricos do que a média da população da comunidade que representam.

Transparência Brasil

Todos os dados são recolhidos junto à Justiça Eleitoral e publicados no projeto Excelência, da Transparência Brasil (www.excelencias.org.br), que exibe os perfis políticos de todos os integrantes do Congresso Nacional, das Assembléias Legislativas e Câmaras municipais.

Desde 2006, os candidatos em eleições são obrigados a fornecer à Justiça Eleitoral suas declarações de bens, que são publicadas pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Fazem parte da lista os patrimônios declarados atuais dos candidatos, os bens que declararam em 2006 (no caso de quem se candidatou naquele ano) e o cálculo de sua evolução patrimonial.