“É muito difícil crescer só com o governo empurrando”, diz Campos Neto

Segundo o presidente do Banco Central (BC), desafio do Brasil é conciliar crescimento econômico sustentável com resultados fiscais equilibrados

Fábio Matos

José Cruz/Agência Brasil

Publicidade

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse, nesta segunda-feira (4), que um dos principais desafios do Brasil é conciliar um crescimento econômico sustentável com resultados fiscais equilibrados.

O chefe da autoridade monetária participou nesta manhã de reunião do Conselho Político e Social (COPS) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), na capital paulista.

“Precisamos entender que a chave é conseguir fazer a dinâmica de ter um crescimento equilibrado, um fiscal controlado e um olhar para o social, principalmente no pós-pandemia”, afirmou Campos Neto.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Segundo o presidente do BC, o atual governo vem tentando “fazer um fiscal equilibrado, um pouco mais pelo lado da receita do que do gasto, porque no Brasil é sempre muito difícil cortar gastos de forma estrutural”.

“Temos de crescer mais. Como o nosso fiscal é apertado, é muito difícil a gente crescer só com o governo empurrando. Temos de crescer com o setor privado empurrando”, defendeu Campos Neto. “O grande desafio é focar nas políticas de crescimento.”

Na conversa com os membros da ACSP, o presidente do BC disse, ainda, que o desempenho da economia brasileira tem surpreendido positivamente. Em 2023, o Produto Interno Bruto (PIB) do país avançou 2,9%, ante projeções inferiores a 1% feitas no início do ano.

Continua depois da publicidade

“Os economistas, incluindo eu, têm errado consistentemente as projeções de crescimento. Em 2024, já começou um movimento de revisão de crescimento para cima”, disse Campos Neto.

“Há alguns economistas [que estão] mostrando que fizemos um grande número de reformas nesses últimos anos, e o poder cumulativo dessas reformas pode estar fazendo com que o PIB potencial do Brasil esteja em um patamar mais alto”, explicou.

Questão fiscal

Em sua palestra na ACSP, Roberto Campos Neto voltou a dizer que, hoje, “existe uma diferença grande entre a previsão do mercado e a meta do governo” na questão fiscal.

De acordo com as diretrizes do novo marco fiscal encaminhado pelo governo, aprovado pelo Congresso Nacional no ano passado, o Brasil tem a meta de zerar o déficit primário em 2024 – mas essa hipótese, hoje, é praticamente descartada pelo mercado. O próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já disse publicamente diversas vezes que não há problema se a meta definida pela equipe econômica não for alcançada.

No ano passado, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Fazenda, o governo central — Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central — registrou um déficit primário de R$ 230,535 bilhões, o que corresponde a 2,12% do Produto Interno Bruto (PIB).

“De fato, continuamos com a nossa dívida subindo. Não é só o Brasil, mas grande parte do mundo tem esse problema”, disse o chefe do BC. “O problema do mundo hoje é como pagar as contas de um gasto muito grande na economia, atendendo ao social e fazendo um crescimento equilibrado.”

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Além do InfoMoney, teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”.