'A gente apanha todo dia'

Bolsonaro defende compra de Viagra pelas Forças Armadas: ‘Isso é nada’

Presidente garantiu que remédio para disfunção erétil será usado para tratar Hipertensão Pulmonar Arterial (HPA) e doenças reumatológicas

Por  Reuters -

O presidente Jair Bolsonaro| (PL) defendeu nesta quarta-feira (13) as Forças Armadas das acusações de terem comprado desnecessariamente o remédio Viagra, usado para disfunção erétil, e garantiu que o medicamento será usado para tratar Hipertensão Pulmonar Arterial (HPA).

“Então as Forças Armadas compram o Viagra para combater a hipertensão arterial e também as doenças reumatológicas. Foram trinta e poucos mil comprimidos para o Exército, 10 mil para a Marinha e eu não peguei da Aeronáutica, mas fala-se em 50 mil comprimidos total”, disse Bolsonaro em café da manhã com pastores evangélicos. “Com todo o respeito, isso é nada. A quantidade para o efetivo das três Forças, obviamente, muito mais usado pelos inativos e pensionistas.”

Leia também:

Os dados sobre as compras de Viagra pelas Forças Armadas foram levantados pelo deputado Elias Vaz (PSB-GO) com base no Portal da Transparência e no painel de preços do governo. Os pregões, feitos a partir de 2020, preveem a compra do Citrato de Sildenafila (nome genérico do medicamento) em dosagens de 25mg e 50mg.

As Forças Armadas alegam que o remédio será usado exclusivamente para HPA e que foram comprados dentro do orçamento do sistema de saúde exclusivo das forças, que atendem militares em todo o país.

O medicamento é de fato usado para HPA. No entanto, a bula de duas versões da Sildenafila usadas para essa doença indicam uma dosagem diferente, em comprimidos de 20mg, que podem ser usadas de 8 em 8 horas.

Críticas à imprensa e a governadores

Bolsonaro alega que as reportagens sobre os gastos são fruto de perseguição da imprensa. “A gente apanha todo dia de uma imprensa que tem muita má-fé e é ignorante também nos assuntos, que não procura saber por que compramos aí o 50 mil comprimidos de Viagra. Mas faz parte”, disse aos pastores.

O café da manhã foi fechado à imprensa, mas parte dele foi transmitido pelas redes sociais do deputado Vitor Hugo (PL-GO). Na conversa, Bolsonaro voltou a atacar os governadores pelas políticas de restrição de circulação durante a pandemia e chegou a dizer que isso foi feito para tentar derrubá-lo da Presidência.

Fraude nas eleições

Também voltou a dizer que pode haver fraude nas eleições, afirmando que “se essa pessoa [o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva] voltar, eles só voltam pela fraude”. A transmissão foi cortada quando o presidente começaria a fazer novas acusações contra o sistema eleitoral brasileiro.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe