Política

Após vitória na Câmara, Michel Temer começa a punir traidores da base

Nos próximos dias, o governo terá de administrar a pressão de membros do centrão pela punição de aliados infiéis, sobretudo do PSDB

SÃO PAULO – Passada a votação na Câmara que arquivou a denúncia contra o presidente Michel Temer, o governo iniciou o processo de retaliação dos aliados que votaram contra o peemedebista — isto é, a favor do prosseguimento da peça encaminhada pelo procurador-geral Rodrigo Janot. Nesta sexta-feira (4), o site do jornal Folha de S. Paulo informou que o governo exonerou o superintendente do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) em Santa Catarina, o engenheiro Vissilar Pretto, como forma de punir o deputado Jorginho Mello (PR-SC).

A medida já foi publicada no Diário Oficial e o intenção de punir o parlamentar infiel foi confirmado à reportagem por fontes do Palácio do Planalto. O PR controla o Ministério dos Transportes e distribuiu as superintendências regionais do Dnit, órgão responsável pela realização de obras em estradas, entre membros da bancada. O Dnit é considerado posto estratégico no mundo político, funcionando como importante ativo eleitoral.

Dor 39 deputados do PR, nove votaram contra o relatório de Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que pedia o arquivamento da denúncia. Membros do próprio partido pedem que o governo puna aliados que votaram contra ele na última quarta-feira, de olho nos cargos vagos que podem conquistar.

PUBLICIDADE

Nos próximos dias, o governo Michel Temer terá de administrar a pressão de membros do centrão pela punição de aliados infiéis, sobretudo do PSDB — partido que contou com o maior índice de dissidência. O baixo clero agora cobra a conta da posição que assumiu na votação, embora já tenha havido negociação prévia por cargos e verbas de emendas.