Segundo jornal

Após queda de Cunha, “centrão” costura acordo com PT para presidir a Câmara

Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, oposição pode fazer aliança com algozes do impeachment

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Enfraquecido pela queda de seu principal líder e fundador, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) — cassado pelo plenário na última segunda-feira –, e pela derrota na presidência da Câmara para Rodrigo Maia (DEM-RJ), o “centrão” articula uma aproximação com a atual oposição para recuperar maior relevância na casa. O grupo composto por 13 partidos, liderados por PP, PSD e PTB costura um acordo com PT, PDT e PCdoB com o objetivo de voltar à presidência da Câmara em fevereiro de 2017. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A estratégia do bloco, que busca fazer frente à antiga oposição liderada pelo PSDB, pode trazer prejuízos ao governo Michel Temer. Conta a reportagem que, em troca do apoio, o “centrão” teria que acenar com discurso que poderá estar do lado da oposição na defesa de mudanças em pautas econômicas importantes, como o teto de gastos públicos e a reforma da Previdência. As expectativas são de que as articulações se intensifiquem após eleições municipais.