Mais uma saída

Após PTB, PSD também oficializa apoio a impeachment de Dilma

Rogério Rosso, líder do PSD na Câmara, trocou orientação de liberado para apoio à destituição

SÃO PAULO – O líder do PSD na Câmara dos Deputados, Rogério Rosso (PSD-DF), disse na noite desta quarta-feira (13), que seu partido apoia o impeachment da presidente Dilma Rousseff a partir de agora. Antes, a bancada da sigla estava liberada para votar como quisesse. Rosso disse que a decisão veio após várias consultas na bancada hoje.

O líder do partido ainda disse que mais de dois terços dos deputados do PSD apoiam impeachment e que fala pelos parlamentares e não pelo ministro das Cidades e presidente nacional da sigla, Gilberto Kassab (SP). Segundo ele, seriam cerca de 30 dos 38 votos da sigla a favor do impedimento.

Mais cedo, Wilson Santiago, líder do PTB em exercício na Câmara, confirmou que o partido irá encaminhar voto pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff e que a bancada da sigla tem maioria expressiva pela saída da petista. Porém, ele ressaltou que há deputados em dúvida ainda e que a opinião deles será respeitada.

O líder afastado do partido, deputado Jovair Arantes (PTB-GO) foi o relator do processo na comissão especial que analisou o caso na Câmara. Ele recomendou, em parecer, a continuidade do processo contra a presidente Dilma Rousseff. A bancada do PTB na Câmara dos Deputados conta com 19 parlamentares em exercício e, de acordo com Wilson Filho, 15 se declararam favoráveis ao impeachment da presidente.

“De forma unida, o PTB chegou ao entendimento que o Brasil vive a pior crise política e econômica dos últimos tempos. O Brasil não tem mais como se reerguer com este governo. O PTB decidiu encaminhar o voto sim, até porque nós temos o deputado Jovair Arantes, e acompanha o relator”, disse Wilson Filho, após a reunião.

Mais cedo, a presidente do PTB, deputada Cristiane Brasil (RJ), disse que os deputados Arnon Bezerra (CE), Adalberto Cavalcanti (PE), Paes Landim (PI) e Pedro Fernandes (MA) votarão contra o impedimento. Todos por questões locais.

A dirigente afirma que o número de parlamentares contrários ao afastamento de Dilma era maior, mas diminuiu nos últimos dias, após os anúncios de desembarque de partidos como o PP. Segundo ela, deputados como Zeca Cavalcanti (PE) e Jorge Côrte Real (PE) passaram a apoiar o impeachment nos últimos dias.