Entrevista exclusiva

Afastamento de Cunha é uma “vitória da cidadania brasileira”, diz Alessandro Molon

Apesar da decisão de Zavascki, o deputado lembra que outras duras batalhas deverão ser travadas na Câmara

SÃO PAULO – A liminar concedida pelo ministro relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, determinando o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do cargo de deputado foi comemorada pelo grupo de parlamentares que lutam pela sua cassação na casa. A decisão do magistrado veio em resposta a um pedido feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em que foram apontadas 11 situações que comprovariam o uso do cargo para constranger parlamentares, delatores e advogados e retardar o processo contra o peemedebista no Conselho de Ética.

“Nós lutamos há muito tempo por isso. Enfrentamos uma luta muito dura para que ele fosse afastado do cargo. Isso era fundamental para que as práticas da república mudassem. Ninguém pode usar o cargo para ficar imune a punições”, disse o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) em entrevista por telefone ao InfoMoney. “É uma vitória da cidadania brasileira”, disse. O parlamentar foi um dos expoentes na luta pela cassação do mandato de Cunha por quebra de decoro ao mentir na CPI da Petrobras sobre contas no exterior, além das denúncias da qual o presidente da casa foi alvo pela Operação Lava Jato.

Apesar da notícia que afasta temporariamente o deputado de suas funções, Molon lembra que outras duras batalhas deverão ser travadas na Câmara. O objetivo agora é conseguir que o processo de cassação, travado no Conselho de Ética, avance na casa. Vale lembrar que o peemedebista ainda conta com expressiva tropa de apoio que pode seguir com obstruções. “[Nossa meta agora] é tentar evitar que ele continue interferindo no processo. Espero que o conselho consiga avançar e cassar o mandato de Eduardo Cunha”, afirmou.

PUBLICIDADE

“A base de Cunha tende a enfraquecer com essa decisão. Os aliados vão perceber que o poder dele não é ilimitado”, concluiu o deputado da Rede.