Abertura de inquérito da PF não irá impedir oposição de abrir CPI só no Senado

Líderes afirmaram que investigação do suposto dossiê dos gastos do governo FHC não muda disposição dos opositores

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A abertura de um inquérito da Polícia Federal, anunciada nesta segunda-feira (7), que vai investigar o caso do suposto dossiê com gastos do governo de Fernando Henrique Cardoso não é suficiente para a oposição desistir do pedido de abertura da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Cartões Corporativos exclusiva no Senado.

O requerimento de criação da CPI deve ser lido na próxima terça-feira (8) pelo presidente da Casa, Garibaldi Alves. A idéia dos opositores é investigar também o vazamento das informações da gestão de FHC independentemente da investigação da PF.

Oposição disposta a criar CPI

O líder do DEM no Senado, José Agripino Maia, considerou a leitura do requerimento “imprescindível” e minimizou a averiguação da PF. “O que interessa é o uso do dinheiro. Dentro do uso, tem a confecção do dossiê, o objetivo do dossiê e quem o fez. E lá atrás tem o vazamento”, afirmou o parlamentar.

PUBLICIDADE

O senador ainda destacou que o principal objetivo de uma CPI exclusiva na Casa é descobrir o mau uso do dinheiro público por meio dos cartões corporativos, o que, segundo ele, não vem ocorrendo na CPI mista.

Quanto à investigação policial do dossiê FHC, o líder do PSDB no Senado afirmou que a entrada da PF não resolve a questão. “Isso não muda nada. Queremos saber tudo do dossiê, quem o fez e quem vazou”, enfatizou o senador.