Pensando no depois...

A agenda positiva de Temer para virar a página após a denúncia

Para incrementar essa agenda positiva e a pedido da ala política, o Ministério do Planejamento prepara medidas voltadas ao aumento de consumo

Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — Arquivada a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer nesta quarta-feira, o governo buscará encerrar o capítulo policial em que se envolveu desde maio e focar em uma agenda pragmática de medidas possíveis de serem aprovadas em acordo com o Congresso, disse um ministro próximo ao gabinete a par das conversas sob a condição de anonimato.

Para incrementar essa agenda positiva e a pedido da ala política, o Ministério do Planejamento prepara medidas voltadas ao aumento de consumo. O governo acredita que a estratégia de convencimento da população sobre a gestão Temer precisa ser sentida no bolso. 

Enquanto isso, o Executivo e o Congresso tentarão construir uma agenda conjunta microeconômica com pontos da reforma tributária, novo Fies, cadastro positivo, além de buscar formas para destravar o Minha Casa, Minha Vida e obras do Programa de Aceleração do Crescimento. “O governo não tem força para tocar qualquer coisa”, disse o líder do PSD, deputado Marcos Montes (MG), que complementou: “é possível votar a reforma tributária e o licenciamento ambiental, que é fundamental para o setor produtivo brasileiro.”

Aprenda a investir na bolsa

Na avaliação do líder do DEM, Efraim Filho (PB), o governo jogou muita luz sobre a reforma da Previdência, e deixou outros temas importantes de fora do radar, que precisam ganhar foco a partir de agora. “É preciso organizar uma pauta ágil que não seja só de reformas”, disse ele à Bloomberg

Outra frente que ganhará espaço é a publicidade da agenda positiva do governo. A ideia é garantir uma abrangência nacional às ações bem-sucedidas da gestão Temer com a intenção de mostrar que, apesar de ser muito impopular, o atual governo assumiu com o país em recessão e que melhorou consideravelmente o ambiente econômico e de negócio. 

Logo após o potencial arquivamento da denúncia, o presidente Temer pretende fazer um pronunciamento à nação. Em seguida e ao longo das próximas semanas, os ministros de diversas áreas deverão usar o tempo gratuito de televisão para divulgar as ações sob seu comando.

Segundo uma fonte com acesso ao gabinete, o governo deverá também passar por recomposição a depender do apoio que Temer terá do PSDB em plenário. O presidente vem sofrendo muitas cobranças dos demais partidos aliados porque os tucanos demonstram deslealdade e ocupam postos chave no governo.

Para entrar em contato com os repórteres: Rachel Gamarski em Brasília, rgamarski@bloomberg.net, Simone Iglesias em Brasília, spiglesias@bloomberg.net, Samy Adghirni em Brasilia, sadghirni@bloomberg.net.

Para entrar em contato com os editores responsáveis: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net, Taís Fuoco

PUBLICIDADE

©2017 Bloomberg L.P.