"Fora Cunha"

35 deputados apoiam afastamento de Cunha da presidência da Câmara; PT lidera lista

Logo após a formalização da denúncia contra o peemedebista, deputados de dez partidos apresentaram alegação de que a situação "expõe o Parlamento brasileiro e torna insustentável a sua permanência na Presidência da Casa"

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Uma semana após sua divulgação, o manifesto contra a permanência de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara dos Deputados já conta com o apoio de 35 dos 513 deputados em exercício do mandato até a tarde desta quinta-feira (27). O grupo representa 6,8% de toda a casa legislativa e tem o PT como partido com mais adesões: 18 de seus 63 membros de bancada assinaram o documento produzido por parlamentares da sigla em parceria com psolistas.

O manifesto que pede o afastamento de Cunha foi produzido logo após a apresentação da denúncia contra o peemedebista pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot ao Supremo Tribunal Federal, como parte dos desdobramentos da Operação Lava Jato, que investiga escândalos de corrupção ligados à Petrobras (PETR3; PETR4). O atual presidente da Câmara é acusado pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. De acordo com o documento assinado por Janot, Cunha teria pedido US$ 5 milhões em propina para Júlio Camargo, ex-consultor da Toyo, em troca de favorecimento em contratos para o aluguel de navios-sonda com a Samsung Heavy Industry.

Logo após a formalização da denúncia, deputados de dez partidos apresentaram sua alegação de que a situação “expõe o Parlamento brasileiro e torna insustentável a sua permanência na Presidência da Casa”. As siglas que tem representantes envolvidos na causa são: PSOL, PT, PSC, PSB, PPS, PDT, PMDB, PR, PTB e PROS. De acordo com balanço divulgado por parlamentares do PSOL, até esta quinta, assinaram a lista: Adelmo Carneiro Leão (PT-MG), Alessandro Molon (PT-RJ), Arnaldo Jordy (PPS-PA), Chico Alencar (PSOL-RJ), Chico D’Angelo (PT-RJ), Clarissa Garotinho (PP-RJ), Edmilson Rodrigues (PSOL-PA), Eliziane Gama (PPS-MA), Erika Kokay (PT-DF), Givaldo Vieira (PT-ES), Glauber Braga (PSB-RJ), Heitor Schuch (PSB-RS), Helder Salomão (PT-ES), Henrique Fontana (PT-RS), Ivan Valente (PSOL-SP), Jarbas Vasconcellos (PMDB-PE), Jean Wyllys (PSOL-RJ), João Daniel (PT-SE), Jorge Solla (PT-BA), José Stedile (PSB-RS), Julio Delgado (PSB-MG), Leonardo Monteiro (PT-MG), Leônidas Cristino (PROS-CE), Leopoldo Meyer (PSB-PR), Luiz Couto (PT-PB), Luiza Erundina (PSB-SP), Marcon (PT-RS), Margarida Salomão (PT-MG), Moema Gramacho (PT-BA), Padre João (PT-MG), Pedro Uczai (PT-SC), Sergio Moraes (PTB-RS), Silvio Costa (PSC-PE), Valmir Assunção (PT-BA) e Waldenor Pereira (PT-BA).

Aprenda a investir na bolsa

Relembre o manifesto publicado há uma semana:

EM DEFESA DA REPRESENTAÇÃO POPULAR

A denúncia contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, por corrupção e lavagem de dinheiro, apresentada pela Procuradoria Geral da República, é gravíssima. Com robusto conjunto probatório, ela não apenas reforça as informações sobre o envolvimento de Cunha no esquema criminoso investigado pela Operação Lava Jato, como expõe o Parlamento brasileiro e torna insustentável a sua permanência na Presidência da Casa.

O Ministério Público acusa Eduardo Cunha de corrupção e lavagem de dinheiro – referente ao recebimento de US$ 5 milhões de um lobista e outras milionárias transações. Apurou-se também que Cunha se utilizou de requerimentos de informação para chantagear empresários que estariam com parcelas de propina em atraso – requerimentos esses originados em seu gabinete e assinados pela então deputada Solange Almeida.

A diferença da condição de um investigado em inquérito para a de um denunciado é notória. Neste caso, Cunha é formalmente acusado de ter praticado crimes. Com a denúncia do Ministério Público, a situação torna-se insustentável para o deputado, que já demonstrou utilizar o poder derivado do cargo em sua própria defesa.

Exercer a Presidência da Câmara dos Deputados exige equilíbrio, postura ética e credibilidade. A responsabilidade de dirigente maior de uma das casas do Poder Legislativo é incompatível com a condição de denunciado. Em defesa do Parlamento, clamamos pelo afastamento imediato de Eduardo Cunha da Presidência da Câmara dos Deputados.

PUBLICIDADE

Parlamentares do PSOL, PSB, PT, PPS, PDT, PMDB, PR, PSC, PROS, PTB.

Brasília, 20 de agosto de 2015.