AO VIVO Por Dentro dos Resultados: CFO da Iguatemi fala sobre os números da empresa e o futuro dos shoppings; assista

Por Dentro dos Resultados: CFO da Iguatemi fala sobre os números da empresa e o futuro dos shoppings; assista

Renda fixa

Tesouro Direto: taxas de títulos públicos curtos recuam nesta terça-feira

Ata da última reunião do Copom reforça fim do ciclo de corte de juros; investidores também monitoravam dados de inflação

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – As taxas dos títulos públicos curtos negociados no Tesouro Direto, programa que possibilita a compra e venda de papéis por investidores pessoas físicas por meio da internet, apresentam queda na tarde desta terça-feira (11).

Entre os destaques do dia, o Banco Central divulgou mais cedo a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) e voltou a afirmar que não pretende cortar a taxa Selic na próxima reunião, em março. “Considerando os efeitos defasados do ciclo de afrouxamento iniciado em julho de 2019, o Comitê vê como adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária”, escreveu a autoridade monetária.

Leia também:
Epidemia do coronavírus é risco relevante para atividade global, aponta SPX
Fundos de inflação: Como ficarão os retornos após o fim dos cortes de juros?

No grupo de indicadores, a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) desacelerou na primeira medição de fevereiro em seis das sete capitais analisadas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O índice registrou alta de 0,51% na primeira quadrissemana deste mês, ante o avanço de 0,59% na última medição de janeiro.

No ambiente externo, o presidente da China, Xi Jinping, afirmou que os fundamentos da economia chinesa são fortes e que o impacto do surto do coronavírus será curto sobre a atividade econômica do país, o que ajudou a tranquilizar os mercados da Ásia.

No Tesouro Direto, o título indexado à inflação com juros semestrais e vencimento em 2055 oferecia um prêmio anual de 3,39%, ante 3,36% a.a. na abertura do dia. O investidor podia aplicar uma quantia mínima de R$ 50,91 (recebendo uma rentabilidade proporcional à aplicação) ou adquirir o título integralmente por R$ 5.091,59.

Os papéis com prazos em 2035 e 2045, por sua vez, pagavam um prêmio de 3,26% ao ano, ante 3,25% a.a. anteriormente.

Entre os títulos prefixados, o com prazo em 2023 pagava 5,42% ao ano, ante 5,44% a.a. pela manhã, enquanto o retorno do Tesouro Prefixado 2026 cedia de 6,26% para 6,24% ao ano.

Confira, a seguir, os preços e as taxas dos títulos disponíveis no Tesouro Direto:

Fonte: Tesouro Direto

Saia da poupança e faça seu dinheiro render mais: abra uma conta gratuita na Rico

Como investir com a Selic a 4,25% ao ano?

Com a queda dos juros, produtos com retornos pós-fixados, indexados ao CDI, estão rendendo cada vez menos, e o mesmo acontece com a rentabilidade da caderneta de poupança, que é atrelada à taxa Selic.

Nos últimos 12 meses até janeiro, a caderneta rendeu 4,14%. Agora, com a Selic em 4,25% ao ano, o retorno anual da poupança passa a ser de 2,98% e continua, portanto, perdendo para demais aplicações conservadoras e até para a inflação, caso a estimativa de alta de 3,40% para o IPCA neste ano se confirme.

Além de os juros baixos dificultarem a escolha de investimentos mais conservadores, a perspectiva de que eles voltem a subir colocam novo desafio para o aplicador brasileiro.

O InfoMoney conversou com especialistas do mercado financeiro para entender como o investidor deve se posicionar neste cenário. O consenso foi de que as aplicações deverão buscar horizontes mais longos e que, independentemente do perfil de risco do investidor, alguma parcela do portfólio deve estar alocada em ativos mais arriscados, de forma a garantir melhores rentabilidades. A matéria completa você confere aqui.