Renda fixa

Tesouro Direto: prefixados pagam 5,33% ao ano nesta quinta-feira

Índice de Preços ao Consumidor Semanal registrou inflação de 0,86% na terceira quadrissemana de dezembro, abaixo da estimativa de 0,91%

notas de 100 e 50 reais
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – As taxas oferecidas pelos títulos públicos prefixados negociados no Tesouro Direto, programa que possibilita a compra e venda de papéis por investidores pessoas físicas por meio da internet, apresentam queda na tarde desta quinta-feira (26).

Em um dia de agenda fraca de indicadores, o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu 0,86% na terceira quadrissemana de dezembro, encerrada no dia 22, abaixo da estimativa de alta de 0,91% compilada pela Bloomberg.

O resultado ficou praticamente igual ao da quadrissemana anterior, de inflação de 0,87%, mas foi a primeira vez que o IPC-S mostrou desaceleração desde outubro.

A maior contribuição para o movimento partiu do setor de habitação, que registrou deflação de 0,49% nesta medição. Já o grupo de alimentação seguiu como a maior fonte de pressão sobre o IPC-S, em meio ao aumento dos preços das carnes bovinas, com inflação de 2,52% na quadrissemana.

Leia também:
Onde Investir 2020: evento reúne Arminio Fraga e alguns dos maiores especialistas em finanças do país
Com juros na mínima histórica, CDI ainda é um bom referencial de retorno?

No Tesouro Direto, o título com retorno prefixado e vencimento em 2022 pagava 5,29% ao ano, ante 5,33% a.a. na abertura do dia. O investidor podia aplicar uma quantia mínima de R$ 36,07 (recebendo uma rentabilidade proporcional à aplicação) para investir no papel, ou adquirir o título integralmente por R$ 901,85.

O retorno do Tesouro Prefixado 2025, por sua vez, cedia de 6,52% para 6,48% ao ano.

Nos títulos indexados à inflação, as taxas operavam de lado. O papel com vencimento em 2024 pagava uma taxa anual de 2,40%, a mesma apresentada pela manhã. Já os retornos dos títulos com prazos em 2035 e 2045 se mantinham em 3,43% ao ano.

Confira, a seguir, os preços e as taxas dos títulos disponíveis no Tesouro Direto:

Fonte: Tesouro Direto

Saia da poupança e faça seu dinheiro render mais: abra uma conta gratuita na Rico

Baixo risco, liquidez e acessibilidade

O Tesouro Direto é considerado a opção de investimento com o menor risco no Brasil e com ampla acessibilidade, dado o investimento mínimo a partir de R$ 30. Outra vantagem do programa diz respeito à liquidez, com a possibilidade de recompra diária dos títulos públicos pelo Tesouro.

O investidor pode aplicar em títulos públicos diretamente pelo site do Tesouro, se cadastrando primeiro no portal e abrindo uma conta em uma corretora, como a Rico Investimentos, por exemplo, para intermediar as transações. Atualmente, a maior parte das instituições financeiras habilitadas a operar no programa não cobra taxa de administração.

O único custo obrigatório que recai sobre o investimento em títulos públicos pelo Tesouro Direto corresponde à taxa de custódia, de 0,25% ao ano sobre o valor dos títulos, cobrada semestralmente no início dos meses de janeiro e de julho.

Entenda tudo sobre Tesouro Direto neste guia completo:

Guias InfoMoney

Tesouro Direto  Tesouro Direto