Renda fixa

Tesouro Direto: taxas de títulos públicos operam em alta nesta segunda-feira

No ambiente internacional, investidores seguiram monitorando desdobramentos das tensões no Oriente Médio e dados fracos da economia chinesa

arrow_forwardMais sobre
(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – As taxas oferecidas pelos títulos públicos negociados no Tesouro Direto, programa que possibilita a compra e venda de papéis por investidores pessoas físicas por meio da internet, apresentam alta na tarde desta segunda-feira (6).

Hoje, a atenção se voltou ao primeiro relatório Focus, do Banco Central, do ano, com um aumento da projeção do mercado para a inflação em 2019, de 4,04% para 4,13%, e uma leve redução para 2020, de 3,61% para 3,60%. Para 2021, a estimativa para a alta do IPCA se manteve em 3,75%.

A mediana das projeções do mercado para o PIB brasileiro também ficou inalterada em 1,17% e 2,30% em 2019 e 2020, respectivamente. Da mesma forma, a perspectiva para a Selic permaneceu em 4,50% ao ano para 2020, mas foi elevada de 6,38% para 6,50% em 2021.

No ambiente internacional, investidores seguiram monitorando os desdobramentos das tensões no Oriente Médio, em meio ao anúncio do governo do Irã de que não irá mais respeitar os termos do acordo nuclear de 2015. Em resposta, os Estados Unidos disseram que poderão atacar 52 alvos iranianos se houver retaliação do país persa à morte do general da Guarda Revolucionária, Qassem Soleimani, na semana passada.

No Iraque, o Parlamento aprovou uma medida que expulsa tropas estrangeiras de seu território, inclusive as americanas. O presidente dos EUA, Donald Trump, reagiu e disse que irá impor sanções econômicas ao país.

Dados fracos da economia chinesa também estiveram no radar ao longo do dia, com a divulgação de dados apontando a desaceleração do setor de serviços de novembro para dezembro.

Leia também:
Após valorização de até 58% em 2019, o Tesouro Direto ainda vale a pena?
Participe do Onde Investir 2020 e veja as recomendações de alguns dos maiores especialistas do país

No Tesouro Direto, o título com rendimento prefixado e vencimento em 2022 oferecia um prêmio anual de 5,25%, ante 5,24% a.a. na abertura do dia. O investidor podia aplicar uma quantia mínima de R$ 36,14 (recebendo uma rentabilidade proporcional à aplicação) para investir no papel, ou adquirir o título integralmente por R$ 903,64.

O Tesouro Prefixado 2025, por sua vez, pagava 6,44% ao ano, ante 6,42% a.a. anteriormente.

Nos títulos indexados à inflação, as taxas também apresentavam leve alta, como no Tesouro IPCA+ juros semestrais 2050, cujo retorno subia de 3,51% para 3,53% ao ano. Já os papéis com vencimentos em 2035 e 2045 ofereciam uma taxa de 3,40% ao ano, ante 3,39% a.a. mais cedo.

Confira, a seguir, os preços e as taxas dos títulos disponíveis no Tesouro Direto:

Fonte: Tesouro Direto

Saia da poupança e faça seu dinheiro render mais: abra uma conta gratuita na Rico

Baixo risco, liquidez e acessibilidade

O Tesouro Direto é considerado a opção de investimento com o menor risco no Brasil e com ampla acessibilidade, dado o investimento mínimo a partir de R$ 30. Outra vantagem do programa diz respeito à liquidez, com a possibilidade de recompra diária dos títulos públicos pelo Tesouro.

O investidor pode aplicar em títulos públicos diretamente pelo site do Tesouro, se cadastrando primeiro no portal e abrindo uma conta em uma corretora, como a Rico Investimentos, por exemplo, para intermediar as transações. Atualmente, a maior parte das instituições financeiras habilitadas a operar no programa não cobra taxa de administração.

O único custo obrigatório que recai sobre o investimento em títulos públicos pelo Tesouro Direto corresponde à taxa de custódia, de 0,25% ao ano sobre o valor dos títulos, cobrada semestralmente no início dos meses de janeiro e de julho.

Entenda tudo sobre Tesouro Direto neste guia completo:

Guias InfoMoney

Tesouro Direto  Tesouro Direto