Renda fixa

Tesouro Direto: retornos de títulos públicos revertem alta e caem com Focus e ômicron; prefixados voltam a pagar abaixo de 11%

Investidores monitoram revisões das projeções de expansão do PIB e avanço da inflação, segundo documento divulgado hoje pelo BC

Por  Bruna Furlani -

O mercado de títulos públicos negociados no Tesouro Direto opera com queda nas taxas na tarde desta segunda-feira (20), revertendo a alta vista no começo da manhã. Na agenda local, o destaque está na revisão para baixo – pela décima semana consecutiva – nas projeções para o crescimento da atividade econômica neste ano, conforme o Relatório Focus, do Banco Central, divulgado hoje.

Agora, economistas consultados pela autoridade monetária esperam uma expansão de 4,58% para o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, ante 4,65% no levantamento anterior. Para 2022, as expectativas foram mantidas em crescimento de 0,50% do PIB.

Nesta semana, o Focus trouxe leves revisões nas estimativas para a inflação em 2021 e em 2022. Por outro lado, não houve alterações nas projeções para a Selic em 2022 e em 2023.

Na cena política local, investidores acompanham o adiamento da votação do Orçamento de 2022 pela Comissão Mista do Orçamento (CMO) para amanhã (21). Já no radar externo, crescem as preocupações com a ômicron e com o impacto que isso pode gerar nas economias.

Dentro do Tesouro Direto, os juros oferecidos pelo Tesouro Prefixado 2024 caíam de 11%, no começo da manhã, para 10,79%, às 15h20. Na sexta-feira anterior, o retorno oferecido era de 10,98%.

No mesmo horário, a remuneração do papel com vencimento em 2031 e juros semestrais era de 10,62%, abaixo dos 10,86% ao ano vistos no início do dia e dos 10,77%, registrados na tarde de sexta-feira (17).

Entre os papéis atrelados à inflação, a remuneração real do Tesouro IPCA com vencimento em 2035 e 2045 recuava de 5,18% ao ano, na sessão anterior, para 5,16%, às 15h20 de hoje.

Confira os preços e as taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra no Tesouro Direto que eram oferecidos na tarde desta segunda-feira (20): 

Taxas Tesouro Direto
Fonte: Tesouro Direto

Relatório Focus

Na agenda econômica, o destaque está no Relatório Focus divulgado hoje. Para 2021, a mediana das projeções dos economistas apontam para um avanço de 10,04% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), ligeiro recuo em relação aos 10,05% estimados anteriormente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para o próximo ano, a projeção é de alta de 5,03% da inflação, leve subida na comparação com os 5,02% projetados no último levantamento.

Por outro lado, houve recuo nas estimativas para o avanço da inflação em 2023 e 2024, que agora estão 3,40% e 3,00%, respectivamente, ante 3,46% e 3,09%.

Diante da forte pressão inflacionária com a inflação oficial chegando a 10,74% nos últimos 12 meses encerrados em novembro, o mercado financeiro estima uma taxa Selic acima dos patamares registrados nos últimos anos. Segundo o Focus, a taxa básica de juros deve encerrar 2022 a 11,50% e 2023, a 8,00% ao ano – sem alterações em relação à semana passada.

Em 2021, a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) elevou os juros a 9,25%, no maior patamar desde 2017.

Orçamento e reajuste

Na agenda política, a Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso adiou para amanhã (21) a votação do Orçamento de 2022. Hugo Leal (PSD-RJ), deputado e relator do projeto, apresentou hoje seu texto final, mas parlamentares discutem retirar verbas do fundo eleitoral e direcionar esses recursos para a área da educação.

No documento apresentado pelo parlamentar estão previstos R$ 5,1 bilhões para o fundo eleitoral no ano que vem. Na semana passada, o Congresso derrubou o veto do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao aumento do chamado “fundão”.

Nesta segunda-feira, Leal informou também que rejeitou pedido feito pelo governo que previa a inclusão do reajuste salarial às categorias de segurança no Orçamento de 2022. Em uma reunião fechada, o relator disse que chegou a receber uma ligação do presidente Jair Bolsonaro (PL) pedindo a inclusão do reajuste à peça orçamentária.

Cenário internacional

Enquanto isso, na Europa, as bolsas europeias recuam forte por causa dos novos bloqueios para conter a rápida disseminação da ômicron. A cautela predomina nos negócios. A elevação de casos levou a Holanda a voltar com bloqueios, enquanto Sajid Javid, secretário de Saúde do Reino Unido, se recusou a descartar medidas mais fortes antes do Natal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na China, os bancos anunciaram um corte em sua taxa básica de juros para empréstimos de um ano de 3,85% para 3,8% – o primeiro movimento desde abril de 2020. A maioria dos comerciantes e economistas em uma pesquisa da Reuters esperava cortes na taxa básica de juros. Os pedidos de flexibilização cresceram em meio a uma repressão do setor imobiliário que está pesando sobre a expansão econômica.

Já nos Estados Unidos, na véspera, o senador Joe Manchin disse que não poderia apoiar o pacote de gastos de US$ 2,2 trilhões em educação, saúde e contra mudanças climáticas do presidente Joe Biden, denominado “Build Back Better Act”. “Este é um ‘não’ a esta legislação”, disse Manchin na Fox News ontem (19).

O revés para a agenda econômica do presidente Joe Biden e as preocupações em torno de novas restrições impostas pela ômicron estão no radar do mercado e geram temores entre investidores.

“No geral, a notícia não apenas dificulta o panorama legislativo para Biden, mas implica também uma complicação adicional para um já complexo panorama eleitoral para os democratas nas eleições parlamentares de novembro, uma vez que o projeto era considerado a grande aposta eleitoral do partido”, avalia a equipe de análise da XP Investimentos.

Quer sair da poupança? Em curso gratuito, especialista em renda fixa da XP mostra como receber até 200% acima da poupança tradicional, sem abrir mão da simplicidade e segurança!

Compartilhe