Tesouro Direto: taxas de prefixados recuam com varejo e contas públicas em foco

Mercado ainda espera resultado da balança comercial de janeiro em dia de estreia de título prefixado

Leonardo Guimarães

Publicidade

A rentabilidade dos títulos do Tesouro Direto cai nesta quarta-feira (7), com investidores de olho em dados do varejo nacional e nas contas do setor público do Brasil no último ano. 

Mais cedo, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgou que as vendas do comércio varejista caíram 1,3% em dezembro na comparação com novembro. No ano, o setor teve alta acumulada de 1,7%. Foi o sexto ano consecutivo de resultados positivos. 

Os dados vieram abaixo do esperado pelo consenso LSEG de analistas, que previa queda de apenas 0,2% em dezembro e alta de 2,9% no ano. 

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Também na manhã de hoje, o Banco Central informou que o Brasil teve déficit do setor público consolidado de R$ 249,1 bilhões (2,29% do PIB) no ano passado. O resultado veio após superávit de R$ 126 bilhões (1,25%) do PIB em 2022. 

A diferença entre receitas e despesas do governo em dezembro foi negativa em R$ 129,6 bilhões, maior que o déficit de R$ 11,8 bilhões registrado em dezembro do ano anterior. O pagamento de R$ 92,4 bilhões em precatórios exerceu grande impacto nas contas públicas no mês. 

Às 15h, o mercado conhece dados da balança comercial de janeiro, com o consenso LSEG projetando superávit de US$ 7,35 bilhões.

Continua depois da publicidade

No Tesouro Direto, o prefixado com vencimento em 2031 pagava 10,61% na primeira atualização do dia, às 9h22, ante taxa de 10,68% no início da sessão de ontem. A rentabilidade do Tesouro Prefixado 2027 caía de 9,95% para 9,84%. 

O Tesouro Prefixado com juros semestrais 2035 estreia hoje, substituindo o papel com vencimento em 2033, e pagando 10,61% ao ano.

Entre os títulos de inflação, destaque para o Tesouro IPCA+ 2029, que entregava rentabilidade real de 5,45% ante 5,49% ontem. A taxa do Tesouro IPCA+ 2040 recuava de 5,57% para 5,56%. 

Confira os preços e as taxas dos títulos públicos disponíveis para compra no Tesouro Direto na manhã desta quarta-feira (7):