Renda fixa

Tesouro Direto: Confira os preços e as taxas dos títulos públicos nesta sexta-feira

Notícias de reabertura da economia americana ofuscaram pior resultado do PIB da China desde 1992

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em um dia de maior alívio nos mercados, com o anúncio de reabertura da economia americana a partir de maio, as taxas dos títulos públicos indexados à inflação e negociados via Tesouro Direto apresentavam queda na tarde desta sexta-feira (17).

O Tesouro IPCA+ 2026 oferecia um prêmio anual de 3,04%, ante 3,07% a.a. na tarde de quinta-feira (16). Os papéis com prazos em 2035 e 2045, por sua vez, pagavam a inflação mais uma taxa de 4,28% ao ano, ante 4,30% a.a. anteriormente.

Entre os títulos com retorno prefixado, as taxas apresentavam alta. O Tesouro Prefixado 2026 pagava 6,65% ao ano, ante 6,62% a.a. ontem, enquanto o juro do papel com vencimento em 2023 tinha leve alta de 4,68% para 4,69% ao ano.

Confira os preços e as taxas dos títulos públicos ofertados nesta sexta-feira (17):

Fonte: Tesouro Direto

Noticiário

Nos Estados Unidos, entusiasmou os investidores o anúncio feito pelo presidente Donald Trump de que a economia americana “reabrirá” a partir de primeiro de maio, embora em três fases.

As notícias ofuscaram a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) da China no primeiro trimestre, que registrou uma retração de 6,8%, pior que o esperado pelos analistas consultados pela Bloomberg, que esperavam uma contração de 6%. O resultado foi o pior desde 1992, quando o país começou a publicar estatísticas trimestrais.

Ainda repercutiu a notícia dada pelo site especializado em saúde Stat News de que um relatório da Universidade de Medicina de Chicago, nos Estados Unidos, revelou que um grupo de 125 pacientes com coronavírus recebeu a medicação Remdesivir, desenvolvida pela biofarmacêutica Gilead, e, em menos de uma semana, quase todos receberam alta, com apenas duas mortes. Do total, 113 pacientes estavam em estado grave com a doença.

No Brasil, cresceram as preocupações de que o confronto entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso possa prejudicar o andamento das reformas após o fim da crise do coronavírus, o que traria fortes impactos à economia.

Ontem, Bolsonaro nomeou o oncologista carioca Nelson Teich, de 62 anos, para comandar o Ministério da Saúde, após demissão de Luiz Henrique Mandetta. Em uma live no Facebook com Teich, o mandatário voltou a criticar governadores e prefeitos pelas medidas de isolamento social para atrasar a difusão do coronavírus.

Invista a partir de R$ 100 no Tesouro Direto com taxa ZERO: abra uma conta gratuita na Rico!