Renda fixa está longe de morrer: como ficam CDBs, títulos públicos e debêntures com Selic a 13,25%?

Para especialistas, corte de 0,5 ponto percentual já era esperado e não traz grandes mudanças nos investimentos de longo prazo

Leonardo Guimarães

Publicidade

A decisão do Banco Central de cortar a taxa básica de juros para 13,25% ao ano surpreendeu parte do mercado e fez investidores olharem novamente para a renda variável. As taxas dos títulos públicos responderam ao anúncio do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) com queda expressiva, especialmente nos prefixados. A renda fixa, porém, segue oferecendo com boas oportunidades, dizem especialistas.

No Tesouro Direto, as taxas seguem em patamares atrativos, apesar da queda nos últimos meses. Já os juros da renda fixa privada demoram um pouco mais para responder à redução da Selic e se apresentam como opção para quem é mais arrojado e procura retornos mais robustos.

Títulos públicos

A reação imediata do mercado à queda da Selic foi ajustar a parte mais curta da curva de juros. As taxas dos contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2024 e 2025 caíam cerca de 0,2 ponto percentual cada. Já a rentabilidade do Tesouro Prefixado 2026, o mais curto disponível para venda hoje, caiu para 9,95% ao ano, a mínima em quase dois anos.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

CDB 230% do CDI

Destrave o seu acesso ao investimento que rende mais que o dobro da poupança e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O mercado está se ajustando, conforme esperado, e reprecificando as quedas adicionais da Selic em 2023 e 2024

Ricardo Jorge, especialista em renda fixa e sócio da Quantzed

Jorge diz que a queda dos juros futuros de curto prazo “é expressiva, mas esperada, já que este é o ajuste necessário para que o mercado contemplo o cenário de atuação do Copom até o fim deste ano”.

Os vértices mais longos não tiveram o mesmo impacto, já que o mercado passou a esperar um ritmo mais forte nos cortes, não maior magnitude da queda.

Leia também: 

Continua depois da publicidade

Diante do cenário, a recomendação de Arley Junior, estrategista de Investimentos do Santander Brasil, é “dar uma alongada em títulos de inflação”, ou seja, comprar títulos atrelados ao IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) com vencimento a partir de 2035.

Os pós-fixados, que acompanham a variação da Selic, ainda são recomendados por especialistas. “É um investimento conservador, que ainda entrega rentabilidade alta, mesmo com a queda dos juros”, diz Marina Renosto, chefe de alocação da Blackbird Investimentos.

Para ela, o Tesouro Selic ainda é indicado para quem busca segurança e liquidez, sendo um bom instrumento para a reserva de emergência ou para guardar uma parcela do dinheiro separada para aproveitar futuras oportunidades.

Por outro lado, a recomendação do que não fazer tem os prefixados longos no topo da lista de Renato Ramos, diretor de renda fixa da gestora Empírica. A volatilidade do longo prazo traz riscos adicionais, mas sem oferecer a proteção contra a inflação que os títulos do Tesouro IPCA+ oferecem.

Prefixado não é uma boa aposta, principalmente para quem não segue o mercado de perto para acompanhar uma mudança de call [recomendação]”

Renato Ramos, diretor de renda fixa da Empírica

Renda fixa privada

Marina, da Blackbird, diz que os investidores vêm se sentindo “mais confortáveis em tomar risco”, movimento que faz sentido. Para quem quer se aventurar além do Tesouro Direto, considerado o investimento mais seguro do Brasil, é possível entrar no mercado de CDBs (Certificados de Depósito Bancário) e debêntures.

Nesses instrumentos, o investidor empresta dinheiro a instituições financeiras ou empresas em diversos setores, respectivamente.

Recentemente, as taxas de CDBs prefixados de curto prazo voltaram a subir. Um levantamento da Quantum Finance feito a pedido do InfoMoney mostrou que a taxa média de um CDB prefixado com prazo de seis meses era de 12,66% ao ano entre 18 e 31 de julho.

Já os títulos bancários atrelados à inflação para 24 meses pagavam prêmio de 6,37% além do IPCA. Os pós-fixados tinham rentabilidade superior à Selic, com taxa média de 101,02% do CDI em 24 meses.

Leia também:

CDB hoje: antes do Copom, rentabilidade de prefixados longos volta a subir e atinge até 12,83% ao ano

As taxas mais altas chegavam a 13,65% ao ano, mas Marina alerta: “É sempre bom entender qual instituição está emitindo o CDB, porque quanto mais alta a taxa, mais arriscado é o investimento”.

Nas debêntures, o retorno pode ser ainda maior. Enquanto a taxa máxima dos CDBs atrelados à inflação é de 7% (em título curto, de 12 meses), uma debênture ofertada pela Iguá Saneamento no fim de junho pagava prêmio de 8,20% ao ano além do IPCA, conforme o último relatório mensal de debêntures da Anbima. Outro papel, emitido pela BRK Ambiental, tinha taxa de 8,5% ao ano.

Conforme Marina, taxas mais altas vêm acompanhadas de maior risco. As debêntures não têm proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), como os CDBs têm. Portanto, estudar o emissor e acompanhar a saúde financeira da empresa em todo o período de aplicação é essencial.

A dica da especialista da Blackbird para quem quer migrar para o crédito privado é “diversificar e montar posições pequenas”. Ou seja, nada de colocar todo o dinheiro em apenas uma debênture, por melhor que a empresa seja.

Para Renato Ramos, as debêntures “são uma boa opção, as taxas estão em um patamar alto desde o caso Americanas, mas é preciso escolher bons emissores”. Outro alerta que o especialista dá é “difícil para o investidor acompanhar as emissoras das debêntures que comprou”. Para quem não tem disponibilidade, a recomendação é aplicar em fundos que investem em crédito privado.

Leia também: