Onde Investir 2020

Onde ainda vale a pena investir na renda fixa? Ibiuna e JGP respondem

Para 2020, gestores dizem ver oportunidades em títulos públicos mais longos e em papéis de crédito privado

SÃO PAULO – Com os juros no menor patamar histórico no Brasil, uma das grandes dúvidas de qualquer investidor acostumado a ter boas rentabilidades, saudoso do famoso juro de “1% ao mês”, é como continuar ganhando dinheiro na renda fixa.

Para saber onde estão as oportunidades hoje em aplicações mais conservadoras, o Onde Investir 2020 do InfoMoney recebeu nesta terça-feira Rodrigo Azevedo, sócio da gestora Ibiuna e ex-diretor do Banco Central, e Alexandre Muller, sócio da gestora JGP.

PUBLICIDADE

Diante de um cenário de Selic a 4,5% ao ano e expectativas de potenciais novos cortes na taxa básica de juros em 2020, os gestores afirmaram que o investidor que quiser ter retornos satisfatórios nesta classe de ativos terá que aceitar mais risco e alongar o prazo de seus investimentos.

“Estamos convergindo para aquilo que é padrão no mundo. Isso implica um processo de sair da renda fixa de governo e buscar alternativas que implicam mais risco, o que abre espaço para novos produtos, seja na área de crédito, fundos multimercado, de ações, previdência e produtos estruturados”, disse Azevedo.

Depois da grande valorização dos títulos públicos em 2019, o ex-diretor do BC afirmou ainda enxergar potencial para ganhos principalmente em papéis indexados à inflação, com vencimentos em médio e longo prazo, entre oito e dez anos. Os retornos, contudo, tendem a ser mais comprimidos, na comparação com os dos últimos anos.

“Gostamos das NTN-Bs e achamos que, na composição de um portfólio, o papel continua atrativo, dado o novo contexto de taxas de juros. Mas os ganhos não serão iguais aos de quem carrega o papel há dois, três anos.”

Crédito privado

Na avaliação de Muller, da JGP, investidores podem encontrar opções interessantes hoje nos ativos de crédito, que chegou a assustar parte do mercado em 2019, com um movimento de correção de preços. “O fluxo de resgates se normalizou, os fundamentos para a economia seguem positivos e o valuation é interessante, então é um ponto de entrada”, disse.

O gestor da JGP destacou que, ao construir um portfólio, o investidor deve diversificar o patrimônio entre diferentes classes de ativos e não pode confundir alocações em crédito com reserva de emergência, pois o produto está sujeito a maior volatilidade. Para liquidez, o mais recomendado, diz, são papéis do Tesouro Direto.

PUBLICIDADE

Leia também:
Ranking InfoMoney-Ibmec 2020: conheça os melhores fundos do país
Conheça as ações “queridinhas” dos fundos e as perspectivas dos gestores

Para quem deseja dar o primeiro passo no mercado de crédito privado, a recomendação de Muller é escolher fundos focados em empresas grandes, diante do menor risco. As categorias mais apimentadas, diz, são apropriadas para investidores com portfólios mais complexos.

Com mediação de Beatriz Cutait, editora de investimentos do InfoMoney, os gestores comentaram ainda temas como uma mudança do referencial de renda fixa (CDI) e os principais riscos para os investimentos em 2020.

Você pode conferir o painel completo no vídeo acima, a partir dos 58 minutos.

No primeiro painel do dia, Arminio Fraga, sócio da gestora Gávea e ex-presidente do Banco Central, e Zeina Latif, consultora econômica, falaram sobre as perspectivas para a economia e o impacto nos investimentos.

Na sequência, Guilherme Anversa, sócio e gestor da XP Advisory, e Luciana Seabra, fundadora e CEO da Spiti, discutiram sobre como escolher os melhores fundos para investir.

Onde Investir 2020 continua

Nesta quarta-feira (15), o Onde Investir 2020 começa com Betina Roxo, analista da XP Investimentos, Felipe Hirai, sócio da Dahlia Capital, e Pedro Sales, gestor da Verde Asset, em painel sobre as previsões para a Bolsa em 2020. Confira a programação completa do evento aqui.

Perdeu algum painel? Não se preocupe, todo o conteúdo ficará disponível no canal do YouTube do InfoMoney.