Mais um FII se rende ao desdobramento e terá cotas abaixo de R$ 10

E mais: Ifix opera no positivo; volume de escritórios de alto padrão cresce 3% em São Paulo (SP)

Wellington Carvalho

Publicidade

As cotas do FII Vinci Offices (VINO11) passarão a ser negociadas na forma desdobrada a partir da próxima segunda-feira (7), informa comunicado da carteira ao mercado.

De acordo com o documento, o desdobramento dos papéis ocorrerá na proporção 1 para 5, ou seja, para cada cota existente serão atribuídas ao respectivo titular quatro novas cotas, totalizando cinco unidades.

O valor de cada papel, acrescenta o texto, também será dividido por cinco e terá como base a cotação do fundo no fechamento da sessão desta sexta-feira (4).

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Para efeito de demonstração e considerando o valor da cota no pregão da última quarta-feira (2), a gestão do VINO11 simulou como ficariam os papéis após o desdobramento – inclusive com o valor patrimonial, espécie de valor justo do ativo.

Fonte: FII VINO11

Levantamento do InfoMoney com dados da Economatica, plataforma de informações financeiras, listou em maio 16 FIIs com cotas custando menos do R$ 10 – considerando apenas as carteiras mais negociadas na Bolsa e incluídas no Ifix, índice que reúne os principais fundos do mercado. Confira a relação.

O desdobramento das cotas dos FIIs tem sido uma forma do mercado elevar o volume de negociações de um fundo e aumentar e facilitar o acesso de investidores com menos recursos aos papéis, sinalizou a gestão do Guardian Multiestratégia Imobiliária (GAME11) – que não faz parte do Ifix, mas utiliza a chamada base 10 (cotas que custam na casa de R$ 10) desde março de 2022.

Continua depois da publicidade

“O desdobramento teve como principal motivação a democratização do investimento nas cotas do GAME11, inclusive com a possibilidade do reinvestimento dos dividendos pagos mensalmente”, diz relatório gerencial do fundo na época. “[A estratégia atende principalmente] investidores com menor volume de cotas e que tinham a base de R$ 100,00 como uma barreira”, completa o texto.

Leia também:

Ifix hoje:

Na sessão desta sexta-feira (4), o Ifix – índice dos fundos imobiliários mais negociados na Bolsa – opera no campo positivo. Às 11h27, o indicador registrava alta de 0,20%, aos 3.208 pontos. Confira os demais destaques do dia.

Maiores altas desta sexta-feira (4):

Ticker Nome Setor Variação (%)
SARE11 Santander Renda Híbrido 1,62
VILG11 Vinci Logística Logística 1,53
KFOF11 Kinea FoF FoF 1,33
SNFF11 Suno FoF FoF 1,18
HSLG11 HSI Logística Logística 1,14

Maiores baixas desta sexta-feira (4):

Ticker Nome Setor Variação (%)
JSAF11 JS Ativos Financeiros FoF -1,62
TORD11 Tordesilhas EI Desenvolvimento -1,32
CARE11 Brazilian Graveyard and Death Care Cemitérios -1
BTRA11 BTG Pactual Terras Agrícolas Agro -0,94
TRXF11 TRX Real Estate Renda Urbana -0,95

Fonte: B3 

Leia também:

Volume de escritórios de alto padrão cresce 3% em São Paulo (SP)

Inventário de escritórios corporativos de alto padrão em São Paulo (SP) aumentou 3% na comparação entre os dois primeiros trimestres de 2023, aponta pesquisa da Colliers International.

De acordo com o levantamento, quatro edifícios Classe A+ e A foram entregues entre abril e junho nas regiões da Barra Funda, Chácara Santo Antônio e Vila Olímpia.

A região da avenida Chucri Zaidan registrou o maior volume de área locada no período. Considerando todo semestre, 3 em cada 10 mil metros quadrados locado em empreendimentos de alto padrão foram na região.

De acordo com a Colliers, a taxa de vacância do segmento em São Paulo está em 24%, uma alta de 2 pontos percentuais que é atribuída à entrega de novos empreendimentos que ainda não foram 100% ocupados.

O Itaim Bibi fechou o segundo trimestre com uma das regiões mais caras de São Paulo, aponta o estudo, com preços acima de R$ 261 por metro quadrado – ainda considerando os prédios de alto padrão.

Leia mais:

Wellington Carvalho

Repórter de fundos imobiliários do InfoMoney. Acompanha as principais informações que influenciam no desempenho dos FIIs e do índice Ifix.