Newsletter do InfoMoney

IM responde: como fica o retorno da poupança com a alta da taxa Selic?

Texto original foi enviado na última sexta-feira (23) para assinantes da newsletter do InfoMoney; inscreva-se gratuitamente

Porquinho da poupança triste, representando piora nas finanças
(Feverpitched/GettyImages)

*O conteúdo a seguir foi enviado na última sexta-feira (23) para assinantes da newsletter do InfoMoney. Para receber as próximas newsletters em seu e-mail, clique aqui e inscreva-se gratuitamente.

SÃO PAULO – Com a trajetória de alta da taxa Selic desde março e com a expectativa de subida pelo menos para 7% ao ano até o fim de 2022, a renda fixa tem ganhado maior atenção dos investidores.

E nessa seara, há quem ainda se apegue à caderneta de poupança como uma alternativa simples e segura para aplicar seus recursos. Mas será que seu retorno volta a ficar interessante com a elevação dos juros?

Esse foi o tema da newsletter do InfoMoney Responde de sexta-feira (23), com a pergunta do Arthur. Confira!

Não tenho recursos suficientes para fazer grandes aplicações! A pergunta é: com o aumento da Selic e as mudanças de taxação do governo, a poupança volta a ter os rendimentos de antigamente?
Arthur P.

Até então com rendimento fixo de 0,50% ao mês, desde 2012, as regras de remuneração da caderneta seguem um gatilho que altera o rendimento conforme o patamar da Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira. Basicamente, funciona assim:

– Se a Selic estiver acima de 8,5% ao ano, o rendimento da poupança será de 0,5%, ao mês, mais a variação da taxa Referencial (TR);
– Se a Selic estiver igual a ou abaixo de 8,5% ao ano, o rendimento da poupança será então equivalente a 70% da Selic, mais a variação da TR.

Dessa forma, com a taxa Selic atualmente em 4,25% ao ano e com a TR zerada desde 2017, na prática, o rendimento anualizado da poupança hoje é de cerca de 2,97% ao ano, lembrando que a aplicação é isenta de Imposto de Renda.

O benefício fiscal, contudo, não garante maior retorno da poupança ante outras alternativas financeiras. Mesmo com a maior tributação possível sobre a renda fixa, de 22,5% sobre os rendimentos, um investimento em um produto que pague hoje 100% do CDI, como um CDB ou o Tesouro Selic, renderia algo próximo de 3,3% ao ano.

PUBLICIDADE

E é possível investir no Tesouro Selic, por exemplo, pelo Tesouro Direto com pouco mais de R$ 100,00.

É esperado que a Selic aumente para 7% até o fim de 2022. Nesse patamar, a poupança renderia perto de 4,9% ao ano, enquanto uma aplicação no Tesouro Selic poderia render de 5,42% (com um Imposto de Renda de 22,5%) a 5,95% (em caso de IR de 15%, a menor alíquota possível).

Por isso, tão cedo, a poupança não vai voltar a ter retorno atrativo para o investidor e é possível encontrar opções melhores e tão acessíveis e seguras quanto a caderneta no Tesouro Direto, em outros produtos bancários (como CDBs) e até mesmo em fundos do tipo DI, dependendo de sua taxa de administração.

E vale lembrar que, por ora, a reforma tributária não deve propor alterações na tributação dos produtos de renda fixa (leia mais aqui).

Para saber mais, confira as seguintes matérias:
Retornos de CDBs indexados ao CDI recuam em meio à alta da Selic; vale a pena investir?
Poupança: entenda como funciona o rendimento e saiba quando deixar de lado

Está interessado em participar do próximo “IM Explica”? Envie sua dúvida sobre investimentos para onde_investir@infomoney.com.br.

Quer receber a Newsletter do InfoMoney? Preencha o campo abaixo com seu nome e seu melhor e-mail.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

PUBLICIDADE