Desconexão entre fundamentos e mercados

Gestores desconfiam de bolsas perto do recorde nos EUA

Embora S&P 500 tenha subido mais de 50% desde a mínima do ano, retomada ocorreu com taxa de desemprego em dois dígitos e governo lutando contra Covid-19

Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) — Alguns dos maiores gestores de recursos estão instigados pelo mesmo paradoxo que incomoda tanta gente: as bolsas dos EUA estão perto do maior nível histórico, mas o mundo ainda parece estar se desmantelando.

Inúmeras ameaças iminentes podem causar uma freada brusca na escalada das bolsas americanas, acreditam gestores de fundos de hedge e fundos mútuos. Entre elas estão a incerteza sobre a reabertura das escolas, as eleições em novembro, tensões com a China e o efeito da política monetária sobre a inflação.

Embora o S&P 500 tenha subido mais de 50% desde a mínima atingida em março, a retomada ocorreu mesmo com a taxa de desemprego em dois dígitos e o governo federal lutando para conter a Covid-19. O avanço das bolsas também elevou a relação preço/lucro do índice para 26, comparado a uma média de 18 na última década. Por isso, alguns participantes do mercado não querem chamar o movimento de recuperação.

“Existe uma grande desconexão entre os fundamentos e os mercados”, disse Brian Payne, diretor de investimentos do sistema previdenciário dos professores do estado de Illinois. “Há muito capital perseguindo os investimentos, o banco central americano está inundando os mercados e essa alavancagem não está chegando na economia real. Conforme nos aproximamos da eleição e aumentam as preocupações com uma grande vitória do Partido Democrata, isso poderia ser o ponto de inflexão no qual o otimismo se transforma em pessimismo.”

O fundo de hedge multibilionário de Chris Rokos está moderadamente otimista para o curto prazo, mas espera volatilidade à frente, considerando que o mercado subestima o potencial para movimentos maiores nos próximos dois meses.

É fato que previsões sombrias têm sido feitas há meses. Em 12 de maio, durante webcast realizado pelo Clube de Economia de Nova York, Stan Druckenmiller declarou que a equação entre risco e retorno das ações era a pior vista durante toda a sua carreira. O S&P 500 subiu 18% desde então e Druckenmiller disse mais tarde que foi “cauteloso demais”.

Com a velocidade da recuperação das bolsas, o medo de não aproveitar a oportunidade de ganhos ficou particularmente grande este ano, forçando gestores de fundos a se afastar de aplicações seguras de curtíssimo prazo e entrar em posições que demonstram otimismo em níveis históricos.

Ainda assim, vários gestores famosos estão soando o alarme. Com as crianças tendo aulas online, o impacto para os pais pode “ser tão perturbador para o mercado de trabalho quanto uma recessão de pequeno ou médio porte” porque eles podem ser forçados a reduzir a carga horária ou pedir demissão, afirmou o fundo de hedge britânico Brevan Howard Asset Management em nota enviada a clientes este mês.

“Os investidores precisam adicionar a situação das escolas ao seu painel regular de indicadores econômicos”, disse Brevan Howard. “O que está acontecendo com a educação tem potencial para ser tão importante quanto qualquer outra métrica.”

Além disso, há a corrida por uma vacina. É possível que o desenvolvimento de uma vacina confiável demore mais que o esperado ou que parte da população não queira se imunizar, disse Roger Aliaga-Diaz, economista-chefe para as Américas da Vanguard Group.

A expectativa do mercado é que a vacina saia até o final do ano, “mas a produção e distribuição podem vir muito mais tarde do que as pessoas pensam”, alertou ele. “Isso seria uma surpresa negativa.”

Curso gratuito do InfoMoney ensina como lucrar na Bolsa fazendo operações que podem durar poucos minutos ou até segundos: inscreva-se!