Tesouro Direto

Em semana de Copom, taxas de títulos públicos sobem nesta segunda-feira

Expectativa do mercado, segundo relatório Focus, é de alta de 0,75 ponto na Selic na reunião de política monetária desta semana

Brazilian currency
(Pollyana Ventura/Getty Images)

SÃO PAULO – Em semana de decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que deve elevar os juros brasileiros mais uma vez, as taxas oferecidas pelos títulos públicos negociados via Tesouro Direto apresentavam alta na tarde desta segunda-feira (3).

O papel indexado à inflação com vencimento em 2026 pagava um prêmio anual de 3,48%, ante 3,39% ao ano na tarde de sexta-feira (30). Da mesma forma, a taxa paga pelo Tesouro IPCA+ 2035 subia de 4,01% para 4,16% ao ano.

Entre os papéis com retorno prefixado, o título com prazo em 2026 pagava uma taxa de 8,46% nesta tarde, contra 8,35% anteriormente. Já o juro real pago pelo Tesouro Prefixado com juros semestrais 2031 subia de 9,06% para 9,15% ao ano.

Confira os preços e as taxas atualizadas de todos os títulos públicos disponíveis para compra no Tesouro Direto nesta segunda-feira (3):

Fonte: Tesouro Direto

Aumento de 0,75 ponto da Selic

De acordo com o relatório Focus, divulgado pelo Banco Central nesta manhã, é esperada alta de 0,75 ponto percentual da taxa básica de juros na quarta-feira (05), para 3,50% ao ano. O aumento deve se repetir no encontro de junho, levando a Selic para 4,25% ao ano.

Em paralelo, economistas consultados pela autoridade monetária mantiveram as projeções para a Selic em 2021 em 5,50% ao ano, mas elevaram, de 6,13% para 6,25% a.a., as expectativas para os juros em dezembro de 2022.

Leia também:
Tesouro Direto: títulos públicos encerram abril com queda de até 7,3%; perdas no ano chegam a 11,4%

Com relação à inflação, o Focus mostra que houve alta nas projeções para este ano, de 5,01% para 5,04% – o quarto aumento consecutivo. Para 2022, as expectativas apontam para alta de 3,61% do IPCA, em linha com os 3,60% esperados na semana passada.

Reforma tributária

Ainda no âmbito doméstico, as atenções recaíram sobre o relatório final da Reforma Tributária. O relator Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) deve defender a votação de uma proposta ampla, segundo o jornal Valor Econômico, em desacordo com o desejo do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), a equipe econômica e o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), que defenderam na semana passada o fatiamento da proposta.

PUBLICIDADE

Ainda na cena política, reportagem do Valor mostra que o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2022 indica aumento dos riscos fiscais pela expansão do endividamento público em 2021. O documento alerta para o fato de que a União vem sendo mais acionada para honrar dívidas não pagas por estados e municípios. Também alerta para o elevado patamar das demandas judiciais.

Já no noticiário corporativo, atenção para a continuidade da temporada de resultados do primeiro trimestre, com destaque para os dados do Itaú Unibanco após o fechamento do pregão.

Quadro internacional

Na cena externa, mercados aguardaram pelo discurso do presidente de Federal Reserve, Jerome Powell, e pelos dados do relatório de emprego nos Estados Unidos, a serem divulgados na sexta-feira (7).

Investidores também continuaram a acompanhar a situação na Índia, que no final de semana registrou mais de 400 mil novos casos de Covid-19 em um só dia.

Quer viver de renda? Estes 3 ativos podem construir uma carteira poderosa. Assista no curso gratuito Dominando a Renda Passiva.