Fique ligado

Corretora faz recomendação agressiva que pode dar bons frutos no curto prazo

Segundo a XP Investimentos, proposta de fusão da Rumo com a ALL (ALLL3), feita pela Cosan (CSAN3), traz aos investidores uma boa oportunidade para ganhos no curto prazo

SÃO PAULO – A XP Investimentos afirmou, em relatório, que, de acordo com as notícias das últimas semanas e a recente proposta de fusão da Rumo com a ALL (ALLL3), feita pela Cosan (CSAN3), existe um evento bem importante que deve ser anunciado até o começo de abril e que poderá mudar o case da empresa de logística estruturalmente, trazendo aos investidores uma boa oportunidade para ganhos no curto prazo.

Acompanhe a cotação de todos os fundos imobiliários negociados na BM&FBovespa

A Cosan ofereceu uma proposta de fusão, avaliando a ação da ALL em R$ 10,18, e mudança total dos atuais controladores nesta possível nova companhia. “Tal proposta está sendo analisada pelo Conselho de Administração da ALL, e sua resposta deve ser proferida até o início de abril (40 dias após o anúncio)”, explicou a corretora. “Apesar de parecer um caso binário, em que normalmente faria sentido ficar longe, temos alguns pontos que tornam a possibilidade do deal acontecer maior do que ele fracassar. Com isso a relação de risco retorno se torna atraente”, completou.

Quer saber mais sobre os termos usados no mercado financeiro? Acesse o glossário InfoMoney

Porque o acordo deve ser fechado
Segundo a XP, os fatores que a levam a crer que o acordo será fechado é que este é um ano de eleição e há expectativa de safra recorde. “Mais notícias negativas sobre gargalos logísticos sujariam a imagem do governo”, explicou.

Faz sentido estrategicamente (novos sócios capitalizados e necessidade de investimentos na malha ferroviária), acabando com o imbróglio do contrato Rumo e ALL.

A ALL sozinha deve ter uma retomada de volume nesse ano, dado que o segundo semestre de 2013 foi muito prejudicado com o acidente e problemas de gargalos nos portos.

Outras evidências estão no fato de que o papel está sendo negociado a 4,2x EV/EBITDA em 2014. Sendo que, no primeiro semestre de 2013, antes de todos os problemas com acidentes, problemas nos portos e news flow negativo, a empresa negociava acima de 5x EV/EBITDA.

Lembrando que a proposta da Cosan para a fusão da Rumo com a ALL, avalia a ação da ALL em R$ 10,18. Se a fusão for aprovada, o papel tende a ter mais uma correção de alta. “A aprovação ou não do deal está na mão da ALL, logo qualquer possível revisão de preço deveria ser para cima”, afirmou a XP.

PUBLICIDADE

Riscos
O principal risco dessa operação é se o acordo não ocorre. “Continua o que vínhamos observando: uma empresa com a malha ferroviária depreciada, imbróglio com Rumo e news flow negativo junto ao governo”, disse.

Outro risco é que, mesmo com o deal acontecendo, as condições de uma possível capitalização da empresa mais a frente são incertas, pois, teoricamente, só a notícia do deal sair já teria feito o papel andar.

Os possíveis cenários
Os diversos pontos destacados pela corretora corroboram uma maior probabilidade do deal sair, mas, traçando os seguintes cenários hipotéticos, temos: Considerando as ações da empresa a R$ 6,80, se o acordo ocorrer o papel pode corrigir para os níveis de múltiplos que negociava anteriormente, isto é, ação a R$ 8,20, o que significa uma alta em torno de 20%. Ao mesmo tempo, se o deal não ocorrer, papel pode voltar para os menores níveis históricos, R$ 5,40, ou seja, queda de 20%.

Porém, o ponto interessante é justamente a maior probabilidade do deal acontecer. “De novo, apenas como um exercício para termos uma noção do risco/retorno, considerando que a probabilidade do deal sair fosse 70% contra 30% do deal fracassar. Ponderando, temos: logo, temos uma relação interessante de ganho/perda de 2,3x”, disse.

Importante
É importante lembrar que essa é uma operação agressiva e de risco, ou seja, faz mais sentido para a composição de apenas uma pequena parte do portfólio do cliente.