Contratos futuros de milho batem recorde; já pensou em investir em commodities?

O investimento em commodities pode trazer bons rendimentos, mas as chances de perdas também são altas

SÃO PAULO – A quantidade de operações com contratos futuros e de opções sobre commodities em 2011 registrou queda entre 2010 e 2011. De acordo com dados da BM&FBovespa, foram 2.389.454 operações no ano passado, ante 2.702.705 em 2010, o que representa um recuo de 11,5%.

Mesmo com a queda geral, a negociação de milho atingiu recorde de 558.311 contratos negociados no ano passado, entre futuros e opções, superando o recorde de 490.265 contratos negociados em 2010.

De acordo com especialistas, o investimento em commodities pode trazer bons rendimentos, mas as chances de perdas também são altas. E, você, já pensou em operar neste mercado? Sabe como funciona este tipo de investimento?

Como negociar commodities
De acordo com o especialista em finanças da MoneyFit, André Massaro, a parte operacional no mercado futuro é essencialmente igual às operações de bolsa de valores. “Elas precisam ser feitas através de corretoras e a colocação de ordens pode ser pessoalmente, por telefone, via eletrônica ou mesmo por home broker”, explica.

Entretanto, este mercado é caracterizado pela forte volatilidade e por grande quantidade de especuladores. Por este motivo, o investidor que quiser operar com commodities deve ter experiência com este tipo de transação. “O problema é que no mercado futuro se opera com ‘margem’ (é um mercado altamente alavancado), e os pequenos investidores (e, às vezes, os grandes também) acabam usando a alavancagem de forma inadequada, amplificando muito seus riscos. Quem entende bem o conceito de alavancagem e é disciplinado consegue tê-la como aliado, não como inimiga”, afirma Massaro.

Pequenos investidores
Ele lembra que, historicamente, o mercado futuro é um terreno de investidores profissionais, mas eles começaram a se tornar acessíveis (mundialmente falando) aos pequenos investidores a partir da década de 1090 – com a introdução dos “e-minis” na CME (Chicago Mercantile Exchange). “Os e-minis representam uma fração dos contratos originais (em termos de valor) e são acessíveis a pessoas que dispõem de poucos recursos para participar do mercado”, diz.

No Brasil, a BM&F criou o webtrading, plataforma eletrônica para negociação de mini-contratos futuros, a versão brasileira dos e-minis. “Hoje existem mini-contratos futuros de boi gordo, café, dólar e índice Bovespa. Os dois últimos são, de longe, os mais ativos e mais populares”, afirma o especialista.

Os valores dependem do contrato adquirido. Com R$ 1 mil, é possível operar day trade com Boi Gordo, Milho e Soja, por exemplo. Já para operar com posição (ficar mais de um dia posicionado com o ativo), é preciso cerca de R$ 3 mil para adquirir um contrato destas commodities.

A facilidade de comprar e vender os contratos costuma depender do tipo de produto negociado. Segundo profisisonais da área, os mercados de café e boi gordo são mais líquidos, enquanto para quem opera com soja e no milho a liquidez pode ser um problema, mesmo em lotes menores.

PUBLICIDADE

De acordo com eles, ao operar em mercados menos líquidos ou para grandes lotes, uma alternativa interessante é utilizar a mesa da corretora.