Conteúdo editorial apoiado por

“CDBs americanos” entregam mais de 5% em dólar; quanto R$ 10 mil rendem?

O período de resgate varia entre três e 18 meses, e há retornos atrativos tanto no curto como no longo prazo

Lucas Gabriel Marins

Publicidade

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) ainda não iniciou o processo de redução das taxas de juros no país. Por causa disso, ainda é possível encontrar certificados de depósitos (CDs, na sigla em inglês) – equivalentes aos CDBs no Brasil – com rendimentos superiores a 5% ao ano em dólar.

Diversifique investindo no Brasil e no exterior usando o mesmo App com o Investimento Global XP

Levantamento da Bankrate, empresa de serviços financeiros baseada em Nova York, mostra que há pelo menos 5 “CDBs americanos” que pagam acima dessa taxa. O período de resgate varia entre três e 18 meses, e há retornos atrativos tanto no curto como no longo prazo.

Continua depois da publicidade

O título CIBC Bank USA oferece a maior taxa, de 5,36%, com um prazo de um ano. Em um investimento como esse, segundo cálculos de Rafael Siqueira, gestor e sócio da L2 Capital, uma aplicação de R$ 10 mil renderia R$ 236, já descontadas taxas e impostos, como o Imposto de Renda.

Em um certificado do Bask Bank, que paga 5,35% ao ano de retorno, o mesmo valor investido geraria lucro de R$ 235,20 (considerando o reinvestimento no mesmo papel em seis meses, com a mesma taxa).

Veja CDBs que pagam 5% em dólar e simulação com R$ 10 mil:

Continua depois da publicidade

CDsPrazo (meses)Rendimento percentual anual (APY)Rendimento líquido estimado com R$ 10 mil *
America First Credit Union35,25%R$ 226,87
Bask Bank65,35%R$ 235,20
Forbright Bank95,30%R$ 231,03
CIBC Bank USA125,36%R$ 236,03
Bask Bank185,00%R$ 206,07
Fontes: Bankrate e Rafael Siqueira, gestor e sócio da L2 Capital
*Valor líquido já descontado IR, taxas e impostos. Em títulos de menos de 1 ano, considera reinvestimento no mesmo papel até completar 1 ano, com a mesma taxa

Vale investir em CDBs americanos?

Dolarizar o patrimônio por meio de CDBs americanos pode ser uma estratégia interessante para investidores que buscam resguardar seus ativos da desvalorização da moeda local e da inflação, explica Siqueira.

“Os EUA oferecem uma economia robusta e estável, com o dólar sendo uma moeda de reserva mundial, lhe conferindo maior segurança e estabilidade. Investir em CDs nos EUA permite diversificar o portfólio, reduzindo a exposição ao risco econômico de uma única região ou moeda”.

Por outro lado, segundo o especialista, essa estratégia também tem algumas desvantagens. “O risco cambial é significativo e as implicações fiscais também devem ser consideradas, pois os rendimentos podem estar sujeitos à tributação tanto nos EUA quanto no país de residência do investidor”.

Continua depois da publicidade

A tributação dos CDs é de 15% sobre rendimentos auferidos no exterior. Além disso, há custos de transação, como conversões de moeda e transferências internacionais, que podem reduzir os rendimentos líquidos do investidor.

Leia também:

CDBs americanos são seguros? Como investir?

Os CDBs americanos são protegidos pelo Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC), um organismo similar ao Fundo Garantidor de Crédito (FGC) no Brasil. Conforme a legislação americana, esses produtos financeiros têm garantia de até US$ 250 mil.

Continua depois da publicidade

Há dois principais caminhos para investir em CDBs. O primeiro é por meio de um banco ou corretora local que invista no exterior. A principal vantagem dessa opção é que os custos das operações são automaticamente convertidos e debitados em reais.
A segunda possibilidade é via conta em uma corretora americana. O processo de abertura é um pouco mais demorado e complexo e as transações são feitas em dólar, porém o investidor consegue acessar diretamente os títulos.