Bitcoin sai do marasmo e se aproxima dos US$ 45 mil

As principais altcoins também operam no campo positivo nesta manhã

Lucas Gabriel Marins

(Getty Images)

Publicidade

Depois de ficar dias preso em um marasmo, o Bitcoin (BTC) reagiu na manhã desta quinta-feira (8) e registrou o maior preço desde o dia 12 de janeiro, levando junto as principais criptomoedas do mercado.

A alta pode ter sido motivada pelo acumulo de criptoativos das “baleias” – investidores com grande quantidade de BTC. O número de carteiras com mais de 1.000 unidades do ativo (cerca de US$ 44 milhões) subiu para 73, o máximo em vários meses.

“As baleias de #Bitcoin estão acumulando mais $BTC! Cerca de 73 novas baleias agora detêm 1.000 #BTC ou mais, marcando um aumento de 3,66% em duas semanas”, escreveu o analista de criptomoedas Ali Martinez no X (antigo Twitter), baseado em dados da Glassnode.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

No mercado de criptomoedas, as baleias costumam ir às compras quando o preço do BTC cai. Na contramão, as “sardinhas” (investidores com pouca quantidade de tokens que costumam seguir a manada) normalmente vendem seus ativos.

Por volta das 8h, o Bitcoin é negociado a US$ 44.811, com alta de +4,00% nas últimas 24 horas. Na semana, a principal criptomoeda do mercado entrega ganhos de 6%.

A partir de agora, o analista da corretora Bitget, Fernando Pereira, vê duas possibilidade para o BTC. “Falhar em US$ 45 mil e voltar a cair ou romper essa região, ou voltar para US$ 49 mil e falhar lá. Não vejo combustível para subir muito mais que isso nas próximas semanas, pois a oferta está crescendo muito”, disse.

Continua depois da publicidade

O patamar de US$ 49 mil, o máximo de dois anos, foi alcançado pelo Bitcoin no dia 11 de janeiro, um dia depois de a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês) ter dado sinal verde para o primeiro lote de ETFs (fundos de índice) spot de BTC do país.

De lá para cá, a criptomoeda assumiu um comportamento de “buy the rumor, sell the news” (compre no boato, venda no fato).

Altcoins

O Ethereum (ETH), segundo maior token do mercado, passou dos US$ 2.400 pela primeira vez em duas semanas. Investidores estão otimistas com a possibilidade do lançamento de um ETF da criptomoeda ainda neste ano.

A Solana (SOL), que passou por problemas técnicos no início desta semana, também voltou a subir. O ativo digital registrou a maior valorização do dia entre as criptos com alta capitalização.

Nos Estados Unidos, os índices futuros do país operam mistos nesta manhã. Dow Jones Futuro está no “zero a zero”, S&P 500 Futuro cai -0,05% e Nasdaq Futuro opera em alta de +0,05%.

Confira o desempenho das principais criptomoedas às 8h:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Bitcoin (BTC)US$ 44.811+4,00%
Ethereum (ETH)US$ 2.429+2,70%
BNB Chain (BNB)US$ 316+4,20%
Solana (SOL)US$ 102+6,90%
XRP (XRP)US$ 0,5162+2,70%

Fonte: CoinGecko

As criptomoedas com as maiores altas nas últimas 24 horas:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
BitTorrent (BTT)US$ 0,051068+37,80%
Dymension (DYM)US$ 6,92+28,00%
Kaspa (KAS)US$ 0,1262+17,70%
Stacks (STX)US$ 1,73+14,30%
Celestia (TIA)US$ 19,47+11,20%

Fonte: CoinGecko

As criptomoedas com as maiores baixas nas últimas 24 horas:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Bittensor (TAO)US$ 451,56-7,30%
Monero (XMR)US$ 122,70-3,00%
TRON (TRX)US$ 0,122-1,10%
WEMIX (WEMIX)US$ 2,25-0,90%
Bitget Token (BGB)US$ 0,636-0,30%

Fonte: CoinGecko

Confira como fecharam os ETFs de criptomoedas no último pregão:

ETFPreçoVariação
Hashdex NCI (HASH11)R$ 34,66+2,39%
Hashdex BTCN (BITH11)R$ 51,20+2,91%
Hashdex Ethereum (ETHE11)R$ 35,92+3,04%
Hashdex DeFi (DEFI11)R$ 25,27+2,22%
Hashdex Smart Contract Plataform FI (WEB311)R$ 27,00+2,27%
Hasdex Crypto Metaverse (META11)R$ 29,50+3,03%
QR Bitcoin (QBTC11)R$ 13,60+1,64%
QR Ether (QETH11)R$ 8,56+1,90%
QR DeFi (QDFI11)R$ 3,58-0,27%
Cripto20 EMPCI (CRPT11)R$ 9,61+1,05%
Investo NFTSCI (NFTS11)R$ 10,33+2,58%
Investo BLOKCI (BLOK11)R$ 143,33+0,93%

Lucas Gabriel Marins

Jornalista colaborador do InfoMoney