Carteiras

As ações preferidas dos analistas para comprar em outubro

Levantamento com 12 casas de análise mostra preferência por varejistas e blue chips como Petrobras e Vale

“Shutterstock”

SÃO PAULO – Se de um lado as preocupações com a guerra comercial entre Estados Unidos e China, com uma desaceleração da economia global e até com um pedido de impeachment do presidente Donald Trump estão no centro das atenções no mercado internacional, no Brasil, o otimismo com a economia parece seguir pautando as apostas para a Bolsa em outubro. Nomes que se beneficiam de um crescimento do consumo e de taxas de juros cada vez mais baixas estão entre as principais recomendações para o mês, ao lado de “blue chips” como Petrobras e Vale.

Levantamento feito pelo InfoMoney com 12 casas de análise mostra que a preferência para outubro recai novamente sobre os papéis de Bradesco (BBDC4)  e Petrobras (PETR4), com sete indicações cada. Novidades do portfólio, Magazine Luiza (MGLU3) e Iguatemi (IGTA3) receberam cinco e quatro menções, respectivamente, assim como a novata Vale (VALE3) foi escolhida por quatro casas.

Por conta do empate no número de recomendações, a lista deste mês conta com sete nomes (dois a mais que o normal). Rumo (RAIL3) e Localiza (RENT3) fecham o grupo.

PUBLICIDADE

Desta forma, de setembro para outubro entraram na carteira os papéis de Magazine Luiza, Iguatemi e Vale, e saíram B3 (B3SA3), CVC (CVCB3) e Itaú Unibanco (ITUB4).

Confira a seguir as ações mais indicadas pelos analistas e as principais justificativas para as escolhas:

EmpresaTickerRecomendações*
BradescoBBDC47
PetrobrasPETR47
Magazine LuizaMGLU35
IguatemiIGTA34
LocalizaRENT34
RumoRAIL34
ValeVALE34
*Recomendações compiladas das carteiras de ações de XP Investimentos, Rico Investimentos, BB Investimentos, Santander Corretora, Guide, Coinvalores, Necton, BTG Pactual, Terra Investimentos, Genial, Socopa e Bradesco Corretora.

Bradesco (BBDC4)

Figurinha repetida na lista das ações mais recomendadas, com lugar garantido ao longo de cinco meses, Bradesco segue liderando o ranking ao lado de Petrobras, com sete menções cada. Na carteira da XP Investimentos, BBDC4 é favorita dentro do setor bancário por apresentar múltiplos descontados em relação a pares, considerando o crescimento de lucros projetado.

Os múltiplos mais baratos também são citados pela Necton, que destaca a atuação basicamente doméstica de Bradesco e uma base de clientes mais focada em pequenas e médias empresas, contribuindo para uma exposição maior à economia doméstica.

Petrobras (PETR4)

O papel da estatal voltou a integrar as indicações da carteira do BTG Pactual, substituindo Bradesco (BBDC4). “Além da alocação de capital mais sensível, assim como um time de administração politicamente independente, esperamos resultados sólidos no terceiro trimestre”, escrevem os analistas da casa.

Na visão do time de análise, após um segundo trimestre com produção de petróleo “decepcionante”, a Petrobras conseguiu registrar fortes números de produção em julho e agosto, deixando o BTG mais confiante de que a companhia conseguirá entregar sua produção esperada para o ano.

PUBLICIDADE

Magazine Luiza (MGLU4)

Novidade no ranking, Magazine Luiza ocupa a terceira posição entre as ações mais recomendadas para outubro.

Para os analistas do BB Investimentos, que incluiu o ativo na carteira deste mês, o momento é favorável para a entrada nos papéis em função da recente queda das ações, após o anúncio do lançamento do serviço “Prime” pela concorrente Amazon – no dia do anúncio (10 de setembro), os papéis MGLU4 registraram queda de mais de 5%.  “A expansão das lojas físicas e o foco na qualidade do serviço colocam a companhia em situação confortável para competir no e-commerce”, diz a casa.

Os papéis do Magalu também passaram a compor a seleção recomendada da Guide, que vê a companhia crescendo acima da média no setor de consumo: “A empresa continua a mostrar evoluções significativas, com ganho consistente de participação do mercado, crescimento acelerado no e-commerce, diluição significativa das despesas operacionais, além da redução do endividamento líquido e melhora no capital de giro.”

Na última terça-feira (1), o Magazine Luiza anunciou o pagamento de juros sobre capital próprio (JCP) no valor total de R$ 112 milhões. O montante, que será feito com base nos investidores com ações da empresa no dia 7 de outubro, equivale a R$ 0,0736066061 por ação.

Iguatemi (IGTA3)

Os papéis da Iguatemi são novidade na carteira da Necton deste mês, que diz ver o segmento de shopping se beneficiar de uma melhora do cenário econômico, principalmente com a queda no desemprego e aumento da renda, que deve impulsionar o consumo. Os analistas destacam que a taxa de ocupação do portfólio da administradora de shopping centers está hoje em 93,7%, apresentando baixa vacância.

O nome também é o preferido da XP Investimentos dentro do setor, por combinar um portfólio de ativos bem posicionados e de qualidade, com múltiplos atrativos.

Localiza (RENT3)

Apesar da consistente alta das ações, que acumularam ganho de 54% em 2019 até setembro, a XP Investimentos acredita que uma maior capacidade de crescimento ante concorrentes, liberdade de precificação e um momento macroeconômico e setorial favoráveis, com taxas de juros estruturalmente baixas, devem favorecer a companhia.

Rumo (RAIL3)

Entre os principais drivers para a recomendação de Rumo, os analistas da Bradesco Corretora destacam uma taxa interna de retorno atraente, custos crescentes de logística e a renovação da concessão da Malha Paulista, que deve ser aprovada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) nos próximos meses.

Para a equipe de análise da Guide, Rumo deve continuar entregando resultados robustos e reportando uma forte geração de caixa operacional, com crescimento dos volumes transportados e ganhos de eficiência em sua operação. “A empresa ainda possui contratos comerciais com clientes que garantem a previsibilidade de 70% das receitas, por meio de volumes acordados antes do início da safra, então ela consegue se defender da volatilidade do mercado [externo]”, destaca.

Vale (VALE3)

Os papéis da Vale voltam a integrar a seleção recomendada de ativos da Bradesco Corretora, uma vez que, na avaliação da casa, as condições seguem favoráveis pela ótica dos preços do minério de ferro.

De acordo com os analistas, o mercado de minério deve permanecer deficitário em 2020, implicando preços acima da média. “A Vale está caminhando para um novo e positivo ‘momentum’ pós-Brumadinho”, escreveu a equipe de análise.

 

Invista em ações com TAXA ZERO: abra uma conta gratuita na Clear