Fundos negociados em Bolsa

Após rival sair na frente, Bradesco lança dois ETFs de renda fixa com custos mais baixos

Produtos terão taxa de administração de 0,20% ao ano, com tributação de 15% sobre o ganho de capital

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O investidor brasileiro ganhou mais duas opções para investir em renda fixa. A Bradesco Asset Management (Bram), que é o braço de investimentos do banco, lançou nesta quarta-feira (11) os ETFs (fundos de índices negociados em Bolsa) IMBB11 e B5MB11.

O primeiro se propõe a replicar o índice público IMA-B, da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O índice é composto por títulos públicos atrelados à inflação. Já o B5MB11 vai seguir o IMA-B5+, também da Anbima, com papéis igualmente indexados à inflação, porém apenas com prazo de vencimento igual ou superior a cinco anos.

Os dois produtos terão taxa de administração de 0,20% ao ano. A tributação será de 15% sobre o ganho de capital (diferença entre os valores de venda e de aquisição da cota).

PUBLICIDADE

A Bram estreou no mercado de ETFs em junho, ao ofertar o BOVB11, fundo que replica o Ibovespa.

Mercado engatinha

O primeiro ETF de renda fixa brasileiro só começou a ser negociado a partir do ano passado, com a estreia do FIXA11, da Mirae. O fundo permite exposição à taxa de juros prefixada, com alocação em contratos de DI futuro com prazo médio de três anos. No ano até outubro, o ETF acumula ganho de 14,5% até outubro.

Outros três ETFs forma lançados em 2019, todos pelo braço de investimentos do Itaú Unibanco: IRFM11, IB5M11 e IMAB11.

Os dois primeiros buscam refletir, respectivamente, os desempenhos do IMA-B5+ e dos títulos públicos prefixados com prazo médio igual ou acima de dois anos (IRFM P2). Enquanto o primeiro tem taxa de administração de 0,25% ao ano, o IRFM11 tem custo de 0,20% ao ano. Já o IMAB11 busca refletir o desempenho do IMA-B e tem taxa de administração de 0,25% a.a.

Leia também:
Itaú aumenta carteira de ETFs de renda fixa com dois novos produtos
Primeiro ETF de renda fixa do Brasil já permite negociação de cotas na B3

Os ETFs de renda fixa ainda representam uma pequena fração do mercado. O volume médio de negócios em outubro desses ETFs ficou em R$ 9,2 milhões por dia, o que equivale a 1% do total negociado no segmento. Só o BOVA11, fundo de renda variável gerido pela Black Rock, movimentou R$ 718,8 milhões naquele mês.

PUBLICIDADE

Do volume movimentado, a maior parte vem de investidores institucionais, com 71%. As pessoas físicas representam apenas 9% desse volume.

ETFs são a maneira mais fácil de investir em um grupo de ativos. Experimente: abra uma conta gratuita na XP