Em onde-investir / acoes

As ações preferidas dos analistas para investir em agosto

Bradesco lidera as recomendações em levantamento com 12 corretoras, que conta ainda com papéis da Petrobras, da Vale, do IRB e do Pão de Açúcar

Analista olhando ações
(Shutterstock)

SÃO PAULO – Com três das cinco recomendações de casas de análise em agosto, as chamadas “blue chips”, que respondem pelas ações de maior peso da Bolsa, dão o tom para as indicações do mês.

O portfólio montado pelo InfoMoney a partir das indicações de 12 corretoras é composto pelos papéis do Bradesco, com oito recomendações, da Petrobras (PETR4) e da Vale (VALE3), com seis menções cada. Completam a lista os papéis do IRB (IRBR3), também com seis indicações, e Pão de Açúcar (PCAR5), com cinco, duas novidades da carteira de agosto em relação às indicações de julho.

Em julho, o Ibovespa subiu 0,84%, para 101.812 pontos, cravando o quarto mês seguido de alta. No ano, o índice acumula valorização de 15,84% e, em 12 meses, de 28,52%. Em meio ao recesso parlamentar, investidores têm acompanhado com bastante atenção a safra de balanços corporativos do segundo trimestre e as notícias do mercado internacional, enquanto aguardam a tramitação da reforma da Previdência no Senado.

Confira a seguir as ações mais indicadas pelos analistas para este mês e as principais justificativas para as escolhas. Para investir nos papéis com taxa zero de corretagem, clique aqui e abra uma conta gratuita na Clear.

As ações mais recomendadas para agosto
Empresa Ticker Recomendações*
Bradesco BBDC4 8
IRB IRBR3 6
Petrobras PETR4 6
Vale VALE3 6
Pão de Açúcar PCAR4 5

*Recomendações compiladas das carteiras de ações de XP Investimentos, Rico Investimentos, BB Investimentos, Santander Corretora, Guide, Socopa, Coinvalores, Necton, BTG Pactual,Terra Investimentos, Genial e Bradesco Corretora.

Bradesco (BBDC4)

Presente na carteira da equipe de análise da Santander Corretora, Bradesco é tido como bem posicionado para “surfar” o bom momento operacional do setor bancário brasileiro. “Após um período no qual o Bradesco foi afetado pela grave recessão econômica de 2015/2016, assim como pelo amadurecimento da carteira de crédito absorvida do HSBC Brasil, vemos o banco como uma escolha atrativa no setor devido aos potenciais benefícios provenientes de seu ciclo de crédito ainda atrasado, se comparado principalmente ao Itaú”, diz a corretora, em relatório.

Na visão do Santander, o Bradesco tem capacidade para implementar uma sólida reestruturação de médio prazo, que inclui questões como a melhora na qualidade de seus ativos, o aumento da eficiência em gestão de custo e receitas mais robustas da franquia bancária com sinergias, mesmo que tardias, decorrentes da aquisição do HSBC.
A corretora tem preço-alvo de R$ 45,00 para os papéis do Bradesco, elevado depois da divulgação do balanço do segundo trimestre.

IRB (IRBR3)

Com preço-alvo de R$ 120 para as ações, a equipe da XP vê IRB em um cenário competitivo favorável nos próximos anos e com espaço para valorização, devido à expansão das operações internacionais, à manutenção do alto crescimento no Brasil e do alto retorno, e ao encerramento do follow-on da empresa, reduzindo a pressão sobre o valor da ação, que caiu 3,55% em julho.

A equipe da Coinvalores concorda e vê o movimento como uma oportunidade de entrada no papel, diante da avaliação de uma posição muito favorável em seu setor de atuação e perspectivas positivas, considerando a expectativa de retomada do PIB e a aceleração dos investimentos em infraestrutura, além da possibilidade de o governo ceder parte dos riscos do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) à iniciativa privada.

IRB foi a ganhadora do prêmio revelação em ranking feito pelo InfoMoney em parceria com o Ibmec e a Economatica.

Petrobras (PETR4)

Empatada na segunda posição com IRB e Vale, os papéis da Petrobras estão na carteira da Guide, com preço-alvo de R$ 26,08.

Dentre os eventos que sustentam a visão positiva da casa para o curto prazo, estão a continuidade da venda de ativos onshore, o avanço do projeto de desinvestimento das refinarias e recursos relacionados à cessão onerosa com a União. “A Petrobras vem reposicionando seu portfólio em ativos de maior rentabilidade, com foco na desalavancagem financeira da estatal. Além disso, a expectativa de maior volume de produção para este ano, viabilizado pelo ramp-up [aceleração de ritmo de produção] das plataformas recém-instaladas, deverão impulsionar margens e a geração de caixa operacional da companhia em 2019”, destaca a Guide.

Vale (VALE3)

Com balanço do segundo trimestre reportado nesta semana, a Vale está entre as recomendações da equipe da Rico para este mês de agosto. A corretora vê os riscos potenciais após a tragédia de Brumadinho diminuindo consideravelmente, o que deve gradualmente permitir que a ação volte a negociar com base em fundamentos. “Ressaltamos que a ação segue descontada em relação aos seus pares internacionais, e esperamos convergência gradual das ações ao alto patamar de preços do minério de ferro, que subiu fortemente desde a tragédia ocorrida em Brumadinho.”

Pão de Açúcar (PCAR4)

Com um total de cinco recomendações, Pão de Açúcar está entre as preferências da equipe da Bradesco Corretora. Dentre os aspectos que poderão contribuir para o desempenho da companhia, a casa cita em relatório os sinais de melhora dado pelo segmento multivarejo, os resultados mais fortes a serem apresentados pelo Assaí, o crescimento de vendas de mesmas lojas e o Ebitda acima de sua estimativa.

“Em relação à reestruturação societária, vemos o preço de R$ 109 sendo oferecido pelo Casino pelas ações do Grupo Pão de Açúcar da Éxito como positivo, dadas algumas preocupações de que um valor menor poderia ser oferecido, significando um desempenho maior de caixa para o grupo. Isso leva a empresa um passo mais próximo de sua migração para o Novo Mercado, o que é claramente positivo para as ações”, destaca o Bradesco, que tem preço-alvo de R$ 112 para as ações.

Invista em ações com TAXA ZERO: abra uma conta gratuita na Clear

 

Contato