Em onde-investir / acoes

Ambev ameaçada? Resultados positivos diminuem "medo" da Heineken

Resultado sólido cria nova visão do mercado para a empresa  

Ambev
(Divulgação)

SÃO PAULO – Antes preocupados com a competição da Heineken, analistas que acompanham os negócios da Ambev (ABEV3) tiveram uma grata surpresa com a divulgação de resultados da empresa na manhã desta quinta-feira (26). No fechamento do mercado de hoje, a ação chegou a R$ 19,92, ante R$ 18,90 na abertura - ou seja, o valor de mercado da companhia saltou R$ 16 bilhões em um dia.

O Ebitda no segundo trimestre ficou em R$ 4,53 bi, resultado 7% acima do consenso esperado pelo mercado. O aumento no lucro da empresa ficou dentro da expectativa da plataforma de análise de Renda Variável da XP Investimentos, XP Research, em 15,1% ano a ano.

Leia também: Ambev e Heineken travam batalha do momento por um espaço na sua mesa de bar

Mesmo com a greve dos caminhoneiros e o aumento no preço, o segmento de cervejas, especificamente, cresceu 1,7% ano a ano. O resultado foi considerado positivo para o mercado, principalmente dadas as preocupações com a aposta da Heineken no mercado brasileiro pós-compra da Brasil Kirin.

Chamaram atenção algumas mudanças anunciadas para a ABI, que devem afetar as ações da Ambev a partir de 2019. A partir de julho do ano que vem, a ABI, controladora da Ambev via Ambrew (8%), Interbrew (54%), pode acumular mais poder sobre a companhia, já que a Instituição Antonio e helena Zerrenner (FZ), detentora de 10% da ABI, perderá cadeiras no conselho e o direito a indicar executivos. Também será facilitada a possibilidade de venda de ações detidas pelos controladores.

Apesar dessa nova possibilidade para os acionistas, analistas do Bradesco BBI assumem que não haverá M&A nem venda de fatia pela ABI. Eles mantêm recomendação neutra para o papel, segurando a posta de “maior competição com a Heineken, margens mais baixas estruturalmente e valuation justo que reflete este cenário mais desafiador”.

Neutra, aliás, é a recomendação da maioria dos analistas de outras instituições. O “placar” após a divulgação dos resultados ficou em 4 recomendações de compra e 12 neutras. A XP Investimentos e o analista Antonio Gonzalez, do Credit Suisse, esperam uma reação positiva das ações, apontando como destaques os números positivos do balanço. O BTG manteve o neutro “apesar de estarmos vendo pela primeira vez em muito tempo os resultados potencialmente dando espaço para revisão para cima pelo mercado”.

Quer investir em ações com potencial de valorização? Abra uma conta na XP.

 

Contato